Thursday, November 12, 2009

Cláudia Jacques (quem ?) vs Playboy lusitano

Segundo a própria se anda por aí a queixar, a Playboy não pagou à tal Cláudia o fee acordado para se despir. É chato, convenhamos. Se eu me despisse todo para uma revista, gostava que me pagassem o acordado.
Um tipo tinha a ideia de que aquilo era uma cena tipo “despe ! despe ! despe !” e que iam logo pondo as notas na roupa interior e tal, mas parece que não. Despem-se a crédito. Tratando-se de uma devedora portuguesa, o calote até nem surpreende. Esquisito era se pagassem.
Não sei qual é a vossa opinião, mas para mim a revista é fracota. Parece a Playboy americana dos anos 70, mas depilada e com mais botox, silicone e photoshop. As supostas celebridades que se despem e mostram alguma (pouca) coisa, vão desde cotas do jet-cinco a actrizes e modelos de segundo plano, em regra à procura de trabalho. No último número a “estrela” é, ao que parece, uma empregada de uma discoteca. Tememos os próximos números, sobretudo agora que se sabe que os tipos nem sequer pagam o que combinam. No seu todo, a escala do erotismo presente na nossa Playboy equivale mais ou menos ao erotismo de uma paragem de autocarros ou ao sex appeal do Jorge Coelho. Não prevejo vida longa. Mais um ou dois números e aquilo acaba.
Voltando à “estrela” Cláudia Photoshop Silicone Jacques, tenho para mim que o feitiço acabou por se virar contra o feiticeiro:
- A Playboy não pagou os honorários à Cláudia (que profissão escreverá ela no recibo verde ?)
- Por causa disso, a Cláudia não pagou a factura do “famoso” médico que a recauchutou
- Como não recebeu da Cláudia, o “famoso” médico não pagou à “Caras” o preço da “entrevista” promocional que lhe fizeram junto à piscina de sua casa
- Não tendo recebido o pagamento do “famoso” médico, a Caras não pagou ao paparazzi que lhes vendeu as fotografias “secretas” da Elsa Raposo a sair da clínica, a chorar, depois de saber que tinha perdido o 18º filho virtual depois da sua 18ª gravidez virtual
- O paparazzi, sem esse dinheiro, não pagou à Elsa os honorários combinados pelas suas fotografias à saída da clínica
- Revoltada com o paparazzi, a Elsa não pagou as últimas seis prestações do leasing do BMW série 3 (usado garantido) que esperava amortizar à conta das gravidezes falsas
- A BMW, aborrecida com a Elsa, não pagou à Playboy os anúncios do novo série 1, que foram publicados na revista nas páginas imediatamente anteriores ao depoimento escaldante de uma tal Ana Anes, no qual esta relatava uma cena escaldante (e real) de sexo louco e desenfreado com um tipo que estava à frente dela na bicha do supermercado. Agora pergunto: qual é a mulher que nunca teve vontade fazer o mesmo ?

58 comments:

O Magnifico Gino said...

Revista de gajas em condições em Portugal só houve uma a Gina e mais nenhuma!

Henrique said...

Não duvides !

O Magnifico Gino said...

Nunca, eu estava lá!

me. said...

A vida dá voltas e mais voltas e volta-se sempre ao mesmo!
Pelo menos nos jetinhos e jetinhas com pouco jeito, made à portuguesa!

Irritadinha said...

Pobre Cláudia vitima do preconceito lusitano perdeu o emprego, por ter coragem de "peitar" o desafio. Faltando o dinheiro, o despeito tomou conta da inberbe Cláudia. Estudasse melhor as transacções em Portugal.

Relativamente à última questão: as virgens.

Abobrinha said...

Nunca pensei que as consequências do calote à Claudinha fossem tão graves! Desconfio que se pegasse a fundo no assunto, encontraríamos a origem de uma série de problemas muito mais sérios e fracturantes de dimensão mundial e mesmo nacional, como a deflorestação da Amazónia, o caso "Face Oculta" e a problemática dos ratos nas colheitas de arroz da Sibéria.

Henrique said...

Têm toda a razão, é sempre a aplicação do velho principio "cá se fazem cá não se pagam"

Maya said...

Fazer o mesmo o quê? Despir-se e não receber? Nenhuma (tens cada uma ...)

francis said...

curto a label...
ainda bem que voltaste pá, dás bem conta do recado.
vou ficar a assistir um tempinho...

O Magnifico Gino said...

Na label, a diferença entre um e outro é o local onde é feito.

loirices said...

ahahaha, gostei do efeito dominó do despe veste, inventa, vende-se, etc e tal.

Sirigaita said...

E para fazer amor é preciso estar sempre na mesma posição?
Gino,cama?

O Magnifico Gino said...

Claro, fazer "o" amor é um acto sério. É quase como um jantar da alta sociedade, não gosta do lugar mas tem de ir na mesma. Sexo é à maluca por tudo o que é canto.

Ken said...

Realmente o sexo não tem nada a ver com o amor. O governo fode-me há anos, e eu não estou apaixonado por ele.

Marisa said...

Sim, as paragens de autocarro são horríveis.

Adenda à label: e pode ter mais intervenientes.

p.s.- também gosto da música do perfil!

Sirigaita said...

ahahahahahahahaahah

Mas nem em festas de alta sociedade ficas sempre na mesma cadeira :)

Sirigaita said...

e não actualiza automaticamente??

O Magnifico Gino said...

Siri pá, tens de ver que para algumas pessoas o conceito de fazer "o" amor está como sistema operativo de um computador, precisando de actualização. Por isso é que segundo esta concepção também ficas na mesma posição durante o acto...

O Magnifico Gino said...

Como em muita coisa na vida, a ligação à net "quebrou"...

Sirigaita said...

ué.faz como eu.quebra mas eu ligo pro apoio ao cliente ;)

O Magnifico Gino said...

Quando quebra chama um homem pra resolver o problema.

Sirigaita said...

Chama mecanico pa consertar o bicho!

O Magnifico Gino said...

Ou vai pedir sal ao vizinho...

Sirigaita said...

se for ao meu pode ter a certeza que nunca tenho sal em casa..

O Magnifico Gino said...

Chama logo os da Tv Nabo que os gajo agora têm um outsourcing a fazer a assitência técnica.

Bípede Falante said...

Henrique ou Francis ou Henrique e Francis, que eu não acompanho esse blog há muito tempo e não entendi muito bem de quem é o label, gostava apenas de dizer que não concordo com a visão de sexo sem amor oferece mais posições do que o contrário. Quanto ao resto, como não sou de Portugal, não faço a mínima ideia do que esteja acontecendo com a coelhinha para dar o meu pitaco.

Irritadinha said...

Olha os homens a perderem o TGV e ele ainda nem passou.

Sirigaita said...

Irritadinha os homens ja perderam tudo.TGV,comboio,boleia,bicicleta.
Uns patins é o ideal.

Irritadinha said...

Eu acho que eles andam sobre os próprios joelhos. Não seria melhor umas joelheiras?

Sirigaita said...

E para que ajoelhar se eles não querem rezar?

Irritadinha said...

Eles querem rezar, ainda não têm é estudos para isso. Sabes que a evolução é lenta e gradual, agora já sabem ajoelhar, a seguir seja o que Deus quiser.

Mandarina said...

ahahahahah...quase consigo ver a tvi a pegar neste post e a escrever um guião para uma novela...(com personagens ficcionais, lógico! embora eles sejam peritos em mandar para o pequeno ecrã o que de mais parolo há em portugal)

Henrique said...

Maya: por "fazer o mesmo" queria referir-me ao que a Anes fez em pleno supermercado, diz ela.
Sirigaita: dir-te-ia que no fazer amor há para aí umas 4, vá 5 posições, no fazer sexo contam-se 72. é mesmo o que o Gino disse.
Bípede: respeito obviamente a tua opinião, mas acho que ou tens uma vida afectiva muito apimentada (óptimo !!!) ou uma vida sexual muito cinzenta ... de todo o modo, o label era só uma provocação. Eu sei que tens razão
Mandarina: gosto mais com personagens verdadeiras mesmo. O Francis pediu-me para arranjar um processo por difamação - diz que tb quer ser arguido em qq coisa - e eu anda a tratar disso.

francis said...

"O Francis pediu-me para arranjar um processo por difamação - diz que tb quer ser arguido em qq coisa - e eu anda a tratar disso."

Muito bom, é isso mesmo.

Maya said...

Estás a perguntar então se nós (mulheres) até faríamos sexo louco e desenfreado com um gajo que nunca vimos na vida? Claro. Se o gajo for bom como o milho, é para já.

Mas isto tu já sabias com certeza ... digo eu.

Henrique said...

Maya: podes definir "gajo bom como o milho" ? sempre quis saber o que é isso

O Magnifico Gino said...

Deve ser um gajo que só serve para acompanhar saladas.

Maya said...

Claro.
Gajo assim a atirar para o novo ... gajo tipo Ashton Kutcher.
Gajo assim a atirar para o maduro ... gajo tipo John Malkovich.
Gajo assim a atirar para o português ... gajo tipo Nuno Lopes (sim, o chato).
Got the picture? (pá, não te mates!)

Maya said...

Gino, gajo com alface também é bom (sem bem que gosto mais com chantilly).

Henrique said...

Deduzo, portanto, que o "gajo bom" é, basicamente, alguém do sexo masculino. Não precisa muito mais do que isso. Era o que eu pensava :)

O Magnifico Gino said...

E com chocolate derretido?

Maya said...

Basicamente, gajo bom é um gajo que tenha uma pila que funcione.

Gino, vou ali à casa de banho num instantinho e já te respondo.

O Magnifico Gino said...

(Maya, então basicamente os vibradores são gajos bons?) Faz de conta que estás em casa.

Maya said...

Voltei. Foi uma rapidinha.

Ah, os vibradores são gajos óptimos.

(tu é que começaste ...)

Henrique said...

O Carlos Silvino (Bibi) é um gajo bom ?

Maya said...

Não. Comigo, a pila dele não funciona.

O Magnifico Gino said...

Agora fiquei confuso. Assim sendo os gajos são máquinas ou as máquinas são gajos?

Henrique said...

ah, então nem toda a pila que funciona pertence a um gajo bom. E se for pequenita ?

Maya said...

Gino, se o gajo for uma máquina tanto melhor.

Henrique, a pila de um gajo que funcione comigo, pertence a um gajo bom. Funcionar significa ter cumprir os requisitos mínimos exigidos - (tamanho, grossura e ângulo de erecção).

Mas realmente quanto ao tamanho, humm, deixa-me por a coisa assim ... Tu achas que uma gaja com mamas pequenitas é uma gaja boa?

Henrique said...

Nunca tinha pensado nessa questão do ângulo de erecção. Estava convencidíssimo que era apontada para cima e pronto.

Eu nisso das mamas sou muito prático: as mamas boas são as que estão disponíveis. São, nesse preciso momento, as melhores do mundo.

O Magnifico Gino said...

Maya e aquela história de as mulheres procurarem afecto e tal e os gajos serem uns insensíveis que só pensam sem saltar-vos para a espinha e em mamas? já temos lei da paridade nesse aspecto?

Maya said...

Henrique, quantos pénis em erecção conheces? :)

Gino, há que tempos. Os gajos procuram tanto os afectos como as gajas ... Aliás, os gajos são muito sensíveis. Muito mais sensíveis que as gajas. Só não parecem.

Mas eu agora sou a Dra. Ruth foda-se?

O Magnifico Gino said...

Tu é que desde corda, aguenta e não chora.
Nunca disse que os gajos não procuravam afectos, apenas gostaria de saber se as gajas imitam tudo o que é mau.

Henrique said...

Conheço bem um e chega-me. E nunca nenhuma gaja chegou ao pé de mim com um transferidor ...

Maya said...

Pipal, vou-me para me vir.

As gajas imitarem tudo o que é mau? O quê, quererem apenas uma foda contigo?

Henrique, tá bem ... ao menos deixas tocarem-te no períneo?

Bom fds e boas fds

O Magnifico Gino said...

Não falemos de mim, elogio em boca própria fica mal. É de mau tom.

Henrique said...

OK, Maya, estamos conversados. Já que vi que quando vais para a cama com um "homem bom" levas régua, esquadro, transferidor e compasso.
Deve ser giro. É, por assim dizer, uma cena diferente.

Anuska said...

São os chamados efeitos colaterais/efeito bola de neve hehe