Wednesday, December 30, 2009

(...)


Entreguei ao vento a morte
Para ver se me esquecia
Nem mais som nem movimento
Acalmaram o mau tempo
No deserto em que vivia

Corri praças roubei flores
Em jardins cheios de gente
Cruzei as rosas com lirios
Numa teia de martírios
Quase leve e transparente

A chorar a tua ausência
Adivinho a tempestade
Meu amor sem fantasia
Entristece dia-a-dia
Porque morre de saudade




Escrito por Aldina Duarte / música Lirio Quebrado.

4 comments:

Boop said...

Estamos quebrados no fim do ano?
Que o ano traga novos cheiros de deslumbrantes flores!

© said...

somewhere, over the rainbow, skies are blue...

bom dia
bom ano, ainda não... mais logo, só
:)

o poema é lindo. mas isso já era de esperar, vindo de quem vem.

Apple said...

France, dear, o melhor para ti em 2010.Beijo

loirices said...

francis, estás a despedir-te do ano?