Tuesday, March 16, 2010

HORROR

Nunca gostei de polícias, sejam eles quais forem, seja em que país for. Odeio-os, o que é que eu hei-de fazer ? Os polícias têm armas. Que dão tiros. Que matam. Os polícias são perigosos. Em lugar de proporcionarem segurança, proporcionam insegurança.

De há uns tempos para cá decidem, quase todos os fins-de-semana, fazer aquilo a que pomposamente chamam “operações de combate ao banditismo” que não são mais do que umas cobardes “operações stop”, perto de bares e discotecas, destinadas à famosa “caça à multa”. “Combate ao banditismo” e “caça à multa” são a uma e a mesma coisa em Portugal.

Ontem houve um ser humano que, porque não lhe apeteceu, não quis parar numa destas caças à multa. Quem nunca teve vontade de fazer o mesmo que atire a primeira pedra. E o que fez a polícia perante um acto com tamanha gravidade ?

MATOU-O.

Aquele SER HUMANO, com uma filha de dois anos, não parou na operação stop e foi assassinado a sangue frio e pelas costas. Pela polícia.

ISTO NÃO PODE ACONTECER EM LADO NENHUM DO MUNDO. VIOLA TODAS AS REGRAS DE DIREITO E TODOS OS DIREITOS HUMANOS. NÃO SE PODE DISPARAR PARA ATINGIR UMA PESSOA QUE NÃO PÁRA NUMA OPERAÇÃO STOP. É ABSURDAMENTE DESPROPORCIONADO.

E sabem porque é que o polícia o assassinou ? Porque lhe disseram que o pode fazer. Porque está plenamente convencido que se pode matar quem não parar numa operação stop. Quem não lhe obedecer. É esse o espírito dos polícias. É isso que eles pensam. É assim que eles agem.

E o Estado já reagiu: fosses tu ou eu, ficaríamos em prisão preventiva. Este assassino é especial: continua em liberdade e ficou sujeito ao famoso TIR. Logo à noite pode voltar a fazer o mesmo. Talvez vista a farda e vá degolar alguém que se recuse soprar o balão ou partir a espinha a quem não tiver feito a inspecção ao carro.

Sinto um misto de revolta e de medo. Sobretudo medo. Muito medo mesmo. Quem nos devia proteger mata-nos.

Está tudo ao contrário e só vejo uma solução: se o Estado estiver verdadeiramente interessado em apanhar os bandidos mais perigosos, mais armados e mais tresloucados, que transforme as esquadras em cadeias e não deixe ninguém sair lá de dentro.

O mundo seria um sítio mais seguro e aquele bebé de dois anos hoje ainda teria Pai, aquele Pai que nunca mais lhe dará um beijo de boas noites, que nunca o irá buscar à escola e que nunca mais lhe cantará os parabéns. Poderia (e deveria) ter um Pai sujeito a TIR e talvez com um carro com os pneus furados por balas. Mas é melhor ter um Pai sujeito a TIR do que um Pai morto.

O filho do assassino que o diga.

31 comments:

Anonymous said...

Viva os ladrões e os bandidos! Abaixo a polícia. Que nojo de post

Pulha Garcia said...

Francis, ma man,

bem sabes que costumo concordar contigo e claro que disparar a matar para um ser humano numa operação stop é um erro clamoroso e lamentável que deve ser penalizado com prisão para o polícia em causa. Dito isto, eu acredito na importância da polícia e acho que os polícias em Portugal deviam ter melhores condições. Eu como cidadão estou muito agradecido aos milhares de profissionais das polícias que na sua maioria cumprem bem a sua função.

Anonymous said...

Discordo, e só nos lembramos disso quando precisamos deles, erros todos cometemos, não atirarei a primeira nem a ultima pedra...!

Eu said...

Anónimo: o problema é quando os próprios policias são também bandidos ... ou também és racista ?

Pulha: registo que espetar um tiro num puto, pelas costas, num Y10, só porque não parou numa operação stop e é preto é um "erro lamentável". Digamos que é uma coisa chata.
É evidente que a policia faz falta, mas não é a que temos. A grande maioria não presta. Os exemplos seriam muitos, mas não temos tempo...

Eu said...

p.s.) embora saiba que não é timbre deste blog, que é muito zen, Paz e Amor, todos a concordarem uns com os outros e a dizerem coisas fofinhas, eu pelo-me por uma polémica e adoro agitar as águas e senti algum orgulho com a classificação "nojo de post". Obrigado, anónimo.
Sorry, Francis, apaga lá o fogo com um tema consensual, tipo a Lei da Rolha ou assim ...

Anonymous said...

Agora uma pessoa por defender a autoridade e a disciplina é acusada de ser racista...
Oxalá nunca venhas a precisar da ajuda da polícia.

Pulha Garcia said...

Eu,

quem vê racismo nos outros sempre que olha para fora se calhar tem é um pouco de racismo dentro.

Se reparares eu nunca falei na cor da pele mas em "ser humano". E mantenho que foi um "erro lamentável". Porquê? não foi? Vamos esquecer a importância da polícia por causa de um erro individual? Se não houvesse ordem nas ruas em Portugal o que teríamos nós? Colombia?

Eu prefiro pensar em mais e melhor autoridade no que respeita ao combate ao crime. Eu sei que a esquerda prefere outro tipo de "porreirismo", muito à Soares e Chico Louçã. Mas não me parece que seja isso que Portugal precisa. Lamento que um episódio acidental que tristemente levou a vida a um cidadão sirva para alguns sujarem o nome da polícia como um todo.

Eu said...

Se o puto assassinado fosse teu filho sempre queria ver se tb gostavas tanto da "autoridade e disciplina". Deixa-me adivinhar: os teus países-modelo são Cuba, Venezuela, Coreia do Norte, etc.. Aí há autoridade e disciplina pra dar e vender.

Eu said...

Pulha, qd tiver tempo, falo mais a sério: és do tempo dos secos e molhados ? lembras-te dos bonés no chão no outro dia q tanto deram que falar ? sabes dos tipos degolados em esquadras ? já viste a policia a "investigar" (eu já vi várias vezes) ? sabes quem é o Gonçalo Amaral ?
E, desculpa lá, direitos humanos não tem nada a ver com esquerda ou direita, penso eu ... embora admita q possas achar que a respectiva defesa é um exclusivo da esquerda

Anonymous said...

Conversa típica da esquerdalhada irresponsável que quer fumar ganzas e insultar os polícias.

Francis said...

desculpa lá mas eu também não concordo. se há uma autoridade tem que ser respeitada...não alinho na história dos coitadinhos...não se queria meter em porblemas parasse. tu não páras ?

curto o pessoal pensar que és de esquerda.

bem vndo pá.


ps; escreve com um corpo de letra mais pequeno, sff. é uma questão estética... ;)

RouboCopo said...

Só uma questão: porque é que que ele não parou na operação stop?


Já agora, porque é que não parou quando foram atrás dele?

© said...

estou com o roubocopo e faço minhas as perguntas dele.

Niagara Et Al said...

Cá só entre nós, eu não li nada disto em lado nenhum, a não ser em blogs que o escreveram na terceira pessoa - e se calhar a saberem do assunto o mesmo que eu sei...
Primeiro: as operações STOP existem por uma razão. E quando se é mandado parar numa, adivinha lá? Temos que parar. Lá está. Começa por aqui.
Segundo, o Y10 "alegadamente" teria problemas mecânicos... Acredito, mas ainda assim "arrastou-se" numa perseguição policial até à radial de Benfica. Lécas. Para um chasso com problemas...
Terceiro, culpar a polícia à cabeça é asneirada da grossa. Mas o parágrafo inicial pelo menos é honesto. Até ao ponto em que mete os gatos todos no mesmo saco.

Já agora, e porque estas coisas têm SEMPRE duas leituras, há uns anos atrás (quando ainda não se faziam operações STOP na 24 de Julho) um amigo meu foi atropelado numa passadeira por um indigente mental que seguia em excesso de velocidade e numa condução que deixava a desconfiar excesso de álcool no sangue. Ficou feito num vegetal. E eu gostaria muito de que nesse dia um polícia tivesse enfiado um tiro nos cornos do filho da puta que o atropelou. Mas se calhar teria sido acusado de homicídio e agora estaria preso. Se calhar por isso é que nenhum polícia sacou da arma na altura.
E agora, ficamos em quê?
Quem é que é perigoso?

Ah pois.
É que esse meu amigo, caríssimo "Eu", não pode ter filhos... E se uma mão nunca lava a outra nestas coisas, começar um post com "os polícias são perigosos" não ajuda nada à causa de quem sabe que nem todos os indivíduos numa sociedade são pessoas recomendáveis.

gatafunha said...

É, também estou com o roubocopo e com a c.

Anonymous said...

Anonymous2

Ontem qdo li este post, sem conhecimento do que se tinha passado sini essa revolta, agora depois de a ler transcrevo 2 parágrafos interessantes:

- Nuno Rodrigues, 30 anos, estava referenciado por tráfico. E terá estado envolvido num recente tiroteio junto à discoteca Kremlin. O agente M., interrogado na PJ, aguarda a conclusão do inquérito em liberdade.

- O agente M., 27 anos, está colocado na EIR da 4ª Divisão desde o início do ano. Pelas 05h00, ia na carrinha em perseguição ao suspeito (ver infografia) e, mal este entrou na travessa de São Domingos, junto à Radial de Benfica, sacou da sua pistola de serviço e disparou três vezes – duas para o ar e uma terceira bala, que seria para atingir os pneus do carro, perfurou a chapa da bagageira e matou o condutor.

Coitadinho? de facto é um ser, mas daí a ...

Homicidio voluntário também não me parece!

pergunta: o que haverá por detrás de tudo isto?

Eu said...
This comment has been removed by the author.
Eu said...

Vou dizer devagarinho:
N Ã O
S E
M A T A
U M A
P E S S O A
S Ó
P O R Q U E
N Ã O
P A R O U
N U M A
O P E R A Ç Ã O
S T O P.
É
P R O I B I D O !

Perceberam agora ?

Anonymous said...

o 2

Transcrevo devagarinho:
"e
disparou
três
vezes
duas para o ar
e uma terceira bala, que seria para atingir os pneus do carro,
perfurou a chapa da bagageira e matou o condutor."

Brutus said...

Claro, foi falta de pontaria, como é que não pensei nisso ? e isso é a versão da policia ou a do morto ?
Faz lembrar o outro que caiu em cima da faca ...
Ou a Cipriano que caiu nas escadas.
Tenham dó, please

Francis said...

se me permitem eu faço um copy-paste de um blogger que eu admiro, O Jumento, e penso que é uma opinião um pouco mais equilibrada...

Nuno Rodrigues tinha carta de condução e não levava droga ou armas no carro, o Lancia Y10 da mãe com os documentos em dia. Só a autópsia dirá hoje se tinha álcool no sangue, mas não parou na operação stop da PSP, junto às docas de Santo Amaro, em Lisboa – e foi morto. O cantor rap, que actuava com Sam The Kid, foi perseguido oito quilómetros pela carrinha de uma Equipa de Intervenção Rápida (EIR) e, à chegada a Benfica, um polícia abriu o vidro, disparou e uma bala acabou por atingir o condutor pelas costas.

O agente M., 27 anos, está colocado na EIR da 4ª Divisão desde o início do ano. Pelas 05h00, ia na carrinha em perseguição ao suspeito (ver infografia) e, mal este entrou na travessa de São Domingos, junto à Radial de Benfica, sacou da sua pistola de serviço e disparou três vezes – duas para o ar e uma terceira bala, que seria para atingir os pneus do carro, perfurou a chapa da bagageira e matou o condutor. » [Correio da Manhã]

Parecer:

Estou farto de ver vídeos de perseguições policiais nos EUA que por vezes duram horas, raramente se vê um polícia abrir fogo. Por cá, dispara-se à primeira oportunidade, mata-se com demasiada facilidade mesmo quando não há suspeita de crime ou necessidade de defesa da integridade dos agentes policiais.

Se um jovem entrar em pânico e fugir à polícia pode ser morto? Mata-se demais num país que foi dos primeiros a abolir a pena de morte.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Investigue-se.»

Francis said...

mas também vos digo, em caso de dúvida eu vou pela policia...se ele hesita morre.

não se abriu fogo à primeira opurtunidade foda-se, ele foi até benfica à frnte de um carro da policia, podia ou não ter parado ? claro que podia...

Brutus said...

É preciso vir um gajo de outro blog para dizer algo com com senso:

"Estou farto de ver vídeos de perseguições policiais nos EUA que por vezes duram horas, raramente se vê um polícia abrir fogo. Por cá, dispara-se à primeira oportunidade, mata-se com demasiada facilidade mesmo quando não há suspeita de crime ou necessidade de defesa da integridade dos agentes policiais.

Se um jovem entrar em pânico e fugir à polícia pode ser morto? Mata-se demais num país que foi dos primeiros a abolir a pena de morte."

Podia ter parado na operação STOP, Francis.
Podia ter parado 1 km depois, 2 kms depois, o que tu quiseres. Podia muita coisa.
O que não podia era ser morto.
Foda-se, é assim tão difícil perceber essa merda ?

Brutus said...

É preciso fazer um boneco ?

Francis said...

brutus, ou seja um gajo é criminoso do pior, eles não sabiam quem era, ele foge, e os policias dizem, ah coitadinho, não lhe apeteceu parar. pronto deixa-o ir e vamos jantar, lógica do catano pá.

Francis said...

ah foda-se mudaste de nome...vai-te foder essa merda é de cartão vermelho pá, entrada por trás, pareces o bynia...

Brutus said...

Sim, claro, dizes que um gajo que não pára numa operação stop é um "criminoso do pior" e queres que eu seja meigo ...
Não deves fazer ideia do que é um verdadeiro criminoso "do pior".

Francis said...

portanto, segundo a tua lógica não paramos nas operações STOP, certo ?
buga com eles...se ele for da ETA, das FP25, da Al-Qaeda...não há crise, vamos mas é petiscar...ou mamar um cozida à portuguesa...
não, brutus meu filho, não entendo a tua lógica...

Brutus said...

Então eu explico, usando as tuas próprias palavras: ""Estou farto de ver vídeos de perseguições policiais nos EUA que por vezes duram horas, raramente se vê um polícia abrir fogo."
Só se pode disparar para travar a marcha do carro, se o outro abrir fogo ou em legitima defesa. Tem que haver sempre proporcionalidade de meios.

Não percebes isto ? o puto nem arma tinha. Limitou-se a fugir num chaveco velho. A policia devia saber pará-lo sem o ferir. Não há nada mais importante do que a integridade física e, sobretudo a vida.
I rest my case.

Anonymous said...

(2)

Desculpem a nova intromissão, mas o Senhor Eu+Brutus está a defender o quê realmente?

Claro que é crime matar. Mas é isso que se questiona? E qual seria a sua vontade, digo eu, por vezes, em relação a certos "vermes" que lhe aparecem á frente?

Brutus said...

p.s.) segundo a tua, aliás brilhante, teoria, os policias, perante um gajo a fugir a 250 num Y10 devem assumir que o tipo é da ETA, das FP25 (???), da Al-Qaeda e, pumba, limpar-lhe o sebo.
Claro, faz todo o sentido.
Para ti só há duas hipóteses: matá-lo ou ir comer um cozido à portuguesa.
BRILHANTE !