Thursday, July 15, 2010

E isso.


Foi o que disse hoje à minha filha mais velha.

71 comments:

loirices said...

e ela que te respondeu? Normalmente estas coisas têm real meaning, dp dos 40 :)

Mia Capgras said...

Loirices por acaso não concordo.Tenho 25 e já me apercebi disto há alguns anos. :) talvez aos 40 tenhas um sentimento de nostalgia ainda maior porque aos 20 és adulto,jovem e sentes que tens um mundo de possibilidades.Enfim.

Francis enjoy life!

Bípede Falante said...

Que idade ela tem?

Agnes said...

Convém que alguém diga para aproveitarmos até porque na juventude temos a mania que há tempo para tudo... e depois não há, e surgem as crises de meia idade.

Mia Capgras said...

Crises de meia idade?Mas isso ainda existe?Pensei que as pessoas hoje em dia estivessem tão ocupadas a olhar para o seu próprio umbigo que se tivessem esquecido das crises e frustrações.

Agnes said...

Não sei, o meu pai tem 50 anos e diz que não tem tempo para depressões nem crises de meia idade porque tem de trabalhar. A teoria é linear... mas parece que resulta.
Também há quem tenha as crises e depois desconte nos outros.

Mia Capgras said...

Pelo que sei o teu pai sempre trabalhou e começo a aperceber-me que a porcaria das crises costumam vir de pessoas licenciadas,aparentemente bem na vida e que adoram ser snobs e arrogantes.Depois chegam a casa e tomam dois comprimidos para dormir ou quem sabe um de manhã para poder aguentar o dia,a mulher e os filhos.
Há semanas atrás ouvi uma mulher a dizer que teve de tomar um calmante para vestir uma mini saia.

???

Mia Capgras said...

PS:Eu já estou habituada a que descontem em mim.Infelizmente ainda não há repelente contra insultos mal esgalhados.

Agnes said...

O meu pai trabalha desde os 11 anos de idade... comprimidos só o vi tomar quando teve gripe. Quando lhe tentaram diagnosticar uma depressão ele respondeu "não tenho tempo para isso, tenho uma família para sustentar".

Tenho uma séria dificuldade em entender porque motivo as pessoas tomam calmantes por tudo e por nada... ah! Porque a vida fica facilitada é verdade. Só percebes metade dos problemas porque a tua percepção fica afectada e o teu raciocínio cai para metade. Realmente... assim a vida é mais fácil. Vá isso ou o: eu é que tenho razão, eu é que sei o mundo está errado!

Mia Capgras said...

É normal que aches sempre que tens razão quando te entopes de comprimidos.A viver na fantasia todos são felizes e quem sofre é quem está sóbrio e vê a estupidez dos outros.Pelo menos há um lado positivo: rio-me mais do que a ver os malucos do riso!

Agnes said...

Quanto ao descontarem, a minha paciência é elástica mas não tanto. A partir de um determinado momento, ignoro.

Mia Capgras said...

Água mole em pedra dura,muito bate mas nem sempre fura!
Ignore mode on e siga a marinha!

Agnes said...

Acho que é preciso ser-se muito umbiguista para achar que o próprio é que tem razão e todos os outros estão errados. Digo eu, mas eu sou carta fora do baralho.
Estarei errada ou são precisos dois para dançar o tango?

Agnes said...

E quem gosta de dar murros em ponta de faca é idiota.

Mia Capgras said...

Carta fora do barulho costuma ser o burro e o joker!Não servem para nada nem sequer para filtros.É muito grosso...E por falar em grosso também há quem fique muito grosso com a medicação.Por outro lado há quem seja grosso de nascença!
Tens razão!São precisos dois e para dançar o tango estou sempre pronta.Para levar tanga passo!

Mia Capgras said...

baralho*

Agnes said...

É estranho que alguém tenha de tomar medicamentos para enfrentar a familia, vestir uma saia... mas acho ainda mais estranho os psiquiatras com quatro ou cinco perguntas passarem uma receita com qualquer coisa que não para te deixar melhor, é para te deixar dormente.
Continuo a achar que as pessoas preferem ignorar os problemas a encará-los, e que preferem não responder a algo e ficar no modo "pica-miolos" a pensar sobre a resposta que deviam ter dado e não deram e depois ficam com dores de costas. Acham que pensam demais em como deixar de pensar.

Mia Capgras said...

Hoje alguém confessou-me que aos 15 anos o psiquiatra lhe receitou xanax e que a mãe dela,que é psicologa,aceitou a situação de bom grado sem pestanejar porque se a filha está "doente" tem de se "curar" nem que seja à custa de medicamentos para cavalo.tinha também como SOS o seroxat.Achei brilhante depois do xanax ainda usar o seroxat com apenas 15 anos.Idade onde devia ainda estar a dar uns beijos no liceu e a ver programas parvos na tv até às 4h da manhã.
Nem sempre consegui encarar os meus problemas,ou melhor resolvê-los,mas nunca fui adepta desses medicamentos e sempre os deitei à sanita.Não compreendo como é que há tanta gente a tomar comprimidos para..dormir!Eu sofro de insónias e nunca tomei nada.Não tenho sono não durmo e faço algo útil.Simples.

Agnes said...

Não sou assim tão velha como isso, mas acho que os jovens de hoje em dia crescem com certos problemas como se fossem adultos. Isto é, acabam um namoro aos 14 é o fim do mundo porque "ele é o homem da minha vida!! Eu quero morrer!!", aprenderam isto na novela, com a vizinha ou com a irmã mais velha e passam a viver a situação como se fosse algo limite. Depois deprimem e claro são tratados como adultos, porque os adultos não se recordam do que é ser adolescente. O pai trabalha 20h por dia, a mãe trabalha 21h o namorado terminou o namoro porque apareceu uma com um decote maior, nos canais da cabo só vê "novelas da vida real", as amigas nem notam que ela chora, não pode comer uma barra de chocolate porque fica com pneu e depois aí sim ele nunca mais olha para ela. Ou seja, parece-me que hoje em dia não vivem com um peso nos ombros por terem feito uma asneira vivem com peso nos ombros porque não podem ou não conseguem fazer uma asneira. Alguém se desenvolve bem assim?

Vai ao médico, leva com um xanax ao jantar e os pais quando chegam a casa abrem a porta do quarto da menina e o pai com a mão no ombro da mãe diz: "Como dorme tranquila a nossa menina..."

Mia Capgras said...

Claro que dorme tranquila.Provavelmente está tão tranquila que o coração já nem bate.
Não sei o que é pior: se crescer com pais ausentes mas sabem quem somos,ou crescer com pais presentes que nunca nos conheceram.

Francis said...

boa tarde,

eu tenho 47 e ela faz em agosto 17. para que conste.

Agnes said...

Ah... mas isso depende. Porque pais ausentes fisicamente podem estar presentes sempre que demonstram afecto, carinho, preocupação pelos filhos; já os pais presentes fisicamente porém ausentes da sua função nunca vão passar de estranhos que pagam as contas dos filhos.
Quiçá seja cruel dizer isto, mas, às vezes acho que as pessoas têm filhos para competirem entre si quem consegue meter o filho no colégio com melhor reputação do país. Observações minhas...

Agnes said...

Boa tarde Francis...

Mia Capgras said...

Eu mentalizei-me de que certas pessoas têm filhos porque a vida foi assim estipulada ainda não se sabe bem por quem!E o normal é:Cresceres,arranjares um bom emprego com cunha de preferência para não te matares muito,casares com uma mulher/homem de boas familias,ter filhos e um cão que custe acima de 1000 euros mesmo que haja muitos na rua.
Por isso muitas vezes os filhos são absorvidos neste falso viver que para muitos é o prato do dia a dia!
Competições há sempre e começa logo pelo nome mais in para o filho,a seguir a marca da camisola nem que tenham de comer sopa o mês inteiro,e por aí fora.
Tenho pena que haja muito gente que ainda pensa que dinheiro tem óptimos sinónimos.

Mia Capgras said...

PS:Eu posso ser nova,burra ou inexperiente,mas não há neste momento UMA única familia rica que eu conheça e seja feliz.
Mas tal como disse,eu posso estar enganadíssima.As que conheço ganharam apenas uma redução considerável de neurónios,arrogancia e muitos problemas.

Francis said...

fronha-se mia, estás entupida esteriotipos...

Agnes said...

Eu vou casar, mas não troco a minha gata por nenhum cão - é preciso deixar isto bem claro! :)

Tenho a sorte de ter professores que gostam de falar com os alunos, e um deles uma vez disse-me que a vida das pessoas é como a construção de uma melodia: tu sabes sempre o que vem a seguir. Biologicamente somos programados para nos multiplicarmos e continuar a espécie, socialmente somo ensinados a parecer bem diante dos outros e moralmente somos treinados a seguir o correcto... quando surgir uma vertente qualquer que nos ensine que nascemos para ser felizes, avisem-me.

Mia Capgras said...

Francis por acaso não queria passar essa ideia,até porque eu costumo ser ter uma open mind,e tal como disse,posso ser inexperiente e nova,mas baseio-me apenas naquilo que vejo.Só isso. Há sempre excepções à regra,claro!

Francis said...

a vida é o que é, e a maior parte depende de nós. amanhem-se.
tenho pouca paciência para discutir o sexo dos anjos.

Francis said...

sim mia, acredito, mas a verdade é que essa conversa do nome, do cão, do carro, do plasma e o coiso mais velho é uma desculpa para nós...

Mia Capgras said...

Sim,sim a menina agora aprendeu a cozinhar arranjou marido e tal!ahahahaha a sashinha vai ter sempre o trono dela.Eu não tenho gata mas gosto bastante do meu "cão"

Francis,bijou,eu e a Agnes adoramos fazer sala,só isso.Somos umas desocupados como já é de conhecimento público!

Mia Capgras said...

uma desculpa de quê?

Francis said...

mia, mi es su casa. ou isso.

para não fazermos aquilo que queremos.

Agnes said...

Aprendi a cozinhar, remendar cuecas, fazer camas, e limpar o pó. Vou ser uma esposa de sonho como Deus nosso Senhor manda. Amem.

Continuando a discussão sobre o sexo dos anjos, mantenho a minha opinião: é mais fácil alguém decidir por nós do que arregaçar as mangas e fazermos algo que gostamos e sermos realmente feliz.

Mia Capgras said...

Concordo.Pode ser uma boa estratégia para não sermos apelidados de anormais.Mas antes anormal que infeliz né?Digo eu...

Agnes said...

felizes*

Mia Capgras said...

E pregar botões como é que fica?Quem é que vai regar os vasos?Eu consigo imaginar-te de avental a cortar cebolas.A vida a dois é linda!Há qualquer coisa até de mágico no remendo da cueca...
Amen!!

Agnes said...

é uma questão de aceitação, é como olhares para os chamados grupos há aspectos comuns entre os seus elementos. A união faz a força, e a normalidade evita a critica. É preciso não esquecer isso, nem sempre há capacidade para viver ou encarar as criticas.

Agnes said...

Pregar botões prega ele, tem de fazer alguma coisa em casa. É. Por exemplo eu detesto lavar a loiça, ele também ainda assim ele tem um talento nato para escolher máquinas de lavar a loiça. Divisão de tarefas.

Francis said...

fosga-se pá VIVA A NOIVA e o resto é conversa de aviário...

Mia Capgras said...

Nunca gostei muito de grupinhos.Na escola sempre os evitei e sempre gostei de me dar bem com todos,fossem eles nerds ou populares!Não me parece justo limitar-me apenas a um lema,a uma ideia,a uma identidade quando para mim mudar de ideias significa sempre evolução.
Pena que muita gente se mantenha firme e defenda aquilo não interessa.O importante é ter saúde né?

Mia Capgras said...

Francis o noivo dela é grande beto!

AHAHAHAHAHAHAAHAHAHAH

Francis said...

podes crer, a croma vai-se atar a um beto, os tais que ela diz mal...

Agnes said...

Estou feita com vocês... querem ser os meninos das alianças é?

Mia Capgras said...

Será que vão jogar golfe?Já conheces o teu futuro primo ou ela tá armada em snob?

Agnes said...

Francis, nunca ouviste dizer quem desdenha quer comprar? ;)

Mia Capgras said...

Eu aceito,já sabes!Estou um bocado crescida para levar alianças mas faço-o sem complexos.Não sei se o Francis gostaria de me acompanhar.

Agnes said...

Mas... mas... que jogar golfe? Palhaçada é essa? Ah... por acaso ele joga golfe.

Agnes said...

Tu aceitas para ir lá roubar croquetes, lambona!

Mia Capgras said...

Que lindo.Calcinha branca,cueca e meia a combinar aposto!Beleuza Creuza...

Mia Capgras said...

Eu aceito por tenciono roubar o envelope que o Francis te vai dar!

Agnes said...

Então agora imagina-me com um beto ao lado, a imagem é boa o suficiente para rires?

Mia Capgras said...

Por acaso não me faz rir,até porque tu és uma betinha disfarçada!Fazia-me rir se casasses com alguém que não usasse sapato manhoso de vela

Agnes said...

Eu? Betinha? Mas sou betinha onde? Explica lá isso...

Francis said...

prima pá, safa-te...durante o coiso trata-o por vocês...eles gramam.

Mia said...

Posso começar pelo facto de adorares sapatos de vela?

Francis said...

*você, nada de plural, as betas são umas santinhas, nada de threesome...

Mia said...

"ai isso...tão bôôôm!Dê-me com força,xuxu!"

Mia said...

Exactamente Francis.Isso de threesome é só para quem não joga golfe!

Agnes said...

Hum... hum eu tenho cartão de cliente da loja dos chineses, pá. Não inventes. Esse era o teu melhor argumento?

Agnes said...

Eu só o trato por você quando ele está de fatinho, depois perco o respeito.

Sirigaita said...

Claro que tens o cartão.A suzy pediu para o guardares e de vez em quando mostras para tentares passar a imagem de rebelde que compra batom a um euro!Manca-te Agnes!ahahahhahaahahahahahahahah

Agnes said...

Por acaso a suzy sim é betolas. Só tem sapatinho e roupa de marca, e até nariz de beta tem. Além do mais eu não trato ninguém por "Tio"... era o que me faltava...

Sirigaita said...

o que é nariz de beta?

Agnes said...

nariz pequeno e empinado.

Sirigaita said...

como o teu??

Agnes said...

O meu não é pequeno.

Nanny said...

Podes crer!

Mas isso funciona em qqr idade :P

Beijoca

Francis said...

nanny, so good to see you.

Calíope said...

Vou apontar... q é capaz de me ser útil tb.

Francis said...

caliope, tu vê lá isso, dá sempre jeito.