Wednesday, December 29, 2010

Tu queres ver que eu sou mesmo homofóbico e não sabia ??

Analisadas as reacções ao meu último post – algumas bastante agressivas e que afectam a minha sensibilidadezinha (sim, eu sou um ser muito sensível) – cumpre-me, falando a sério (ops, não estava previsto), dizer o seguinte:

  1. Na minha opinião, a sexualidade cada um é algo que se deve reservar para dentro do seu quarto. Ainda sou do tempo em que falar de dinheiro ou de doenças era má educação (quanto mais de sexo...). Os tempos mudaram muito.
  2. Dito isto, irritam-me solenemente as pessoas que fazem gala da sua sexualidade, seja ela qual for. O que acho verdadeiramente educado é que cada um guarde a sua sexualidade para si próprio, dentro das paredes do seu quarto, seja ela qual for.
  3. Ora, o que todos vemos é que, enquanto que os hetero são geralmente discretos (nunca vi manifestações ou algo parecido de “orgulho hetero”), os gays, em geral, têm “orgulho” de o ser e isso, meus amigos, rachem-me a cabeça, mas nunca o entenderei.
  4. Um hetero não alardeia os seus gostos, mas os homo gostam de o mostrar, seja nas manifestações, nas vestes, nos adornos, nos trejeitos, nas plumas, nas lantejoulas, no raio que os parta. Porquê ? não faço a mais leve ideia.
  5. Tal como disse num post ou comentário anterior, nada tenho contra gays discretos (até admito que seja amigo de alguns). Se os gays forem tão discretos em relação às suas tendências como são os hetero, por mim tudo bem, não me aquece nem me arrefece. Porém, irritam-me tanto gays orgulhosos da sua tendência, tal como heteros que também o sejam. Ninguém tem nada a ver com isso. Cada um mete a pila onde quer ou faz o que quer ao rabo.
  6. Mas vou mais longe: há mais coisas que me irritam bastante com os gays (estou a falar de factos e não de manifestações de homofobia ou o catano de que me queiram acusar) – a conhecida promiscuidade dos gays, manifestada de várias formas. Refiro-me a sexo pelo sexo sem saber quem é o parceiro (a 1 km de minha casa há um centro de encontros fortuitos gay, pelo que sei bem o que vejo), saunas gay, discotecas gays, quartos escuros, drag queens, glory holes, etc etc etc). Há inúmeros exemplos concretos desta REPUGNANTE maneira de encarar a sexualidade. Podem-me dizer que também há taras hetero. Pois há, mas as taras homo são cem vezes mais promíscuas, nojentas e, ainda por cima, motivo de “orgulho”. Discuto isto com quem quiser.
  7. Nada tenho contra casamentos gay. Sou o ser mais tolerante do mundo a respeito de casamentos. Se o meu vizinho da frente quiser casar com a sua cadela (ou com o seu cão), por mim tudo bem. Se um amigo meu quiser casar com o seu Ipad, quem sou eu para o censurar ? Se tu quiseres casar com o teu BMW X1, por mim assino por baixo. Caguei, não tenho nada a ver com isso. Podes casar com o teu peixe de aquário, de véu e grinalda, que eu, se for convidado, até vou ao casamento e divirto-me à brava.
  8. Contudo, não alinho, nem por um segundo, em obrigações de ser tolerante, moderno, politicamente correcto ou o raio que o parta. Não quero ser tolerante com práticas aberrantes, praticadas por homos ou hetero, temos pena.
  9. Isso é ser homofóbico ? OK, sou homofóbico. Repito SOU HOMOFÓBICO E TENHO ORGULHO NISSO.
  10. E, por causa desta minha maneira de pensar serei menos feliz do que o Pulha como ele diz ? nem pensar, aquilo saiu-lhe sem querer.

21 comments:

Pulha Garcia said...

Roberto, pá,

"a conhecida promiscuidade dos gays" parece-me um pouco exagerado. Seguramente que os homossexuais, enquanto grupo sexual, terão várias pessoas assim. Não acredito é que sejam todas assim. Generalizar é instigar ao preconceito, e vender preconceitos é uma pobre atitude moral. Um pouco como dizer que todos os Portugueses são ladrões, que todos os Franceses são bons na cama, que todos os Americanos são burros e gordos, etc. Não vou por aí. E mais. Considerar a promiscuidade como característica dos gay é directamente insultuoso para quem é homossexual.

Já para nem falar que também existe uma certa dose de promiscuidade nos heterossexuais, ou será preciso partilhar pormenorizadamente a história de um casal heterossexual da classe média alta que eu conheço e que apanhou SIDA (tanto ele como ela) por andar a brincar aos swings com casais que não conhecia de lado nenhum? É que por causa disso vai deixar nesta terra dois filhos sem pais ...

De qualquer forma, respeito-te bastante e desejo-te o melhor. Não estou aqui a dizer que sou melhor que tu em nada. Não me peçam é para subscrever uma opinião ignorante e ofensiva para vários milhares de Portugueses que pagam os seus impostos e cumprem as suas obrigações, merecendo por isso o incondicional respeito da parte dos outros.

Saudações de glória e um abraço

Abobrinha said...

Roberto:

1. Os hetero deixam a sua sexualidade dentro do quarto? Não creio! Toda a gente sabe da sua sexualidade, e também a exibem com mais ou menos exuberância.

2. Aborrece-me um pouco o "orgulho gay", mas isto tem que ver com a minha maneira de ser: sou discreta em relação aos meus afectos em público. Reconheço, contudo, que é uma reacção à vergonha de ser gay, o que anula automaticamente a minha irritação: ninguém deve ter vergonha de ser diferente da norma, desde que não magoe ninguém. O "orgulho hetero" faz tanto sentido como o "orgulho branco", por exemplo.

3. Um hetero não alardeia os seus gostos? Bem... precisas de sair mais vezes! É que nem comento! É comentar gajas, é gabar-se de quantas comeu (mesmo as que não comeu)... não conta? Ou faz parte do "orgulho hetero"?

4. Ao contrário do nosso amigo Garcia, eu reconheço (porque é mais que estereótipo, é tendência, e amigos gay confirmam-no) que os gay são por norma mais promíscuos que os hetero. Mas, de novo, desde que ninguém se aleije, não vejo mal nenhum. As pessoas também fazem sexo, não só "o amor". Se eu gosto desta promiscuidade? Não, e não sou obrigada a gostar! Mas isso sou eu, e eu levo a minha vida como eu quero, e não mando na dos outros. O exemplo dos swingers que deu o Garcia dispensa mais comentários.

5. Não percebi a relação entre casar com o iPad ou o cão com casamento homossexual. É que não tem nada a ver! Não entendi a parte em que eles disseram de forma sentida, informada e em igualdade que "sim".

6. Orgulho em ser homofóbico? Bem, essa é nova. E não gostei.

7. Podes ser plenamente feliz sendo preconceituoso e mesmo consciente ou orgulhoso de o ser. Simplesmente, não peças tolerância também para ti.

Estou certa que és boa pessoa: as boas pessoas também têm más atitudes. Mas pensa bem e reconsidera, por favor. Entre outras coisas porque ninguém está livre que uma coisa destas nos apareça em casa. Confesso que não quereria, mas é mais uma das muitas coisas que não controlamos e nem temos que controlar, porque não mandamos nos outros. Sobretudo em algo tão íntimo como a sua sexualidade e fertilidade (post anterior).

Roberto said...

Pulha, pá:
Os teus últimos comentários (invulgar e desnecessariamente agressivos e deselegantes), dirigidos directamente à minha pessoa, por resposta a escritos dirigidos "à geral", demonstram à saciedade que terei tocado em algum tema sensível para ti e daí sentires necessidade de, contra-atacando, te defenderes de algo.
Por isso te digo que, se porventura te ofendi pessoalmente nos meus últimos posts e comentários, foi sem querer e peço desculpa por isso. Amigos como dantes ?

Reconsiderando, admito que, à tua maneira e neste aspecto em concreto, talvez sejas mais feliz do que eu, e mais não digo porque não quero, agora mais directamente, entrar na tua intimidade. Espero todavia que me reconheças o direito de não querer tal felicidade para mim próprio.

Saudações gloriosas para ti também.

Abobrinha: como se costuma dizer, ficas com a tua que eu fico com a minha. Se és tolerante, deixa-me lá ter a minha opinião e continuar a ficar irritado com os gays folclóricos (os Castelos Brancos e os Elton Johns deste mundo).
E enganas-te num aspecto muito importante: agradeço o teu voto de confiança - porém algo sobranceiro e paternalista - em relação ao facto de eu ser boa pessoa. É que eu não sou boa pessoa. Nem quero ser.
Mas tu és e eu fico muito contente com isso.

Abobrinha said...

Roberto

Não entendi o que era um tom sobranceiro e paternalista. Depois li o teu comentário com mais atenção e passei a perceber que o usaste.

Gostei muito desta troca de impressões. Também gostei muito da insinuação pouco subtil acerca da sexualidade do Garcia. Era perfeitamente escusada, se precisas de chamar nomes aos outros para te sentires seguro com a tua própria sexualidade, algo de errado se passa.

Eu sou boa pessoa, é verdade. Simplesmente não sou mais que os outros nem tenho pretensões a isso.

Roberto said...

ps) para que não me acusem ainda mais de ignorância, intolerância, irracionalidade e outras coisas feias com o censurável intuito de me magoar começadas por "i", gostaria de declarar, para todos os efeitos legais, que nada tenho contra a homossexualidade feminina, desde que praticada por gajas boas (e assim presto a minha singela homenagem a essa instituição que é a "gaja boa", algo ultimamente tão desprezado neste blog agora mais virado para o "gajo bom"), de preferência com menos de 30 anos. Aliás, já calhou ver uns filmes sobre o tema e não desgostei de todo.
Afinal não sou tão homofóbico como dizem. Shame on u.

Roberto said...

Abobrinha,
Agora acertaste em cheio (tu és astuta, caraças ...) - eu sinto-me pouco seguro com a minha sexualidade !!! Bolas, como é que descobriste ? será que resulta assim tão claro dos meus escritos ?

E que tal se os meus amigos se decidissem: afinal sou homofóbico ou paneleiro ?

Achas mesmo que se passa algo de errado comigo ? shit, agora fiquei preocupado.

Abobrinha said...

Os meus parabéns! Do fundo do coração! És um imacho! Vês? Começa por "i" e nem sequer faz doer nada!

Roberto said...

Deves querer dizer Imacho, um novo produto do Steve Jobs.

E tu és uma Indecisa em relação ao que eu sou. A sério: com o devido respeito, esquece o teu lado de psicóloga. Não me parece que tenhas grande futuro.

Francis said...

eu que já dei para este peditório, tenho uma curiosidade, onde é essa cena a 1km de tua casa, pá ? é que isso preocupa-me.

Roberto said...

Então vou-te explicar: é um dos parques de estacionamento do Estádio Nacional. Confronta com várias estradas, por onde passam milhares de carros por dia. Agora, quando passas por lá, a qualquer ora do dia ou da noite, estão dezenas de carros lá dentro, uns a circular (até arranjarem o parceiro ocasional)outros parados. Dantes era um local aprazível onde se passeava, faziam piqueniques, passeava com os cães, jogava à bola com crianças. Nos nossos dias, e sei de quem já lá foi em pleno dia, desprevenidamente, brincar com crianças e/ou passear animais, e por todo o lado só vêm gajos, FORA DOS CARROS, AO AR LIVRE, a irem ao cú uns dos outros.
Estás a passear com o teu filho, e de repente, à tua frente, está um gajo a comer outro.
Mas deixa estar, sou eu que sou bota de elástico e ignorante e estas coisas fazem-me muita impressão. Aqui a malta do blog acha isto tudo muito bonito. Acho que deviam ir lá ver.

Roberto said...

Shit: "qualquer hora"

Pulha Garcia said...

Roberto, pá,

não te estou a atacar, homem, apenas tenho uma opinião diferente. Nem acho que tenha sido deselegante ou que este seja um tema delicado para mim. Tenho grande respeito por ti, até como colega mais velho. E até concordo contigo até certo ponto: casais homossexuais à minha frente deixam-me indisposto. Agora, chamares paneleiros aos homossexuais já é um bocado mau e a partir daí foi sempre a descer. Mexe um bocado com o meu conceito de justiça, com as consequências que uma atitude intolerante acaba por ter nas gerações futuras.

De qualquer forma, a vida é bela.

Abraço

Roberto said...

Dizes bem: a vida é bela e estas coisas não são para levar tão a sério e ao pé da letra como vocês por vezes levam.
Não sei se somos colegas ou se sou mais velho, pois nunca te mostrei qualquer diploma ou o BI :)
Não tinha percebido que o problema era a palavra "paneleiro" - deixa lá isso, não me parece assim tão importante que te leve ao ponto de chamares ignorantes ou infelizes aos outros, não achas ?
Para mim, só há paneleiros e gays, sendo que os gays são os paneleiros com o 12º ano.
Deixa-me lá dizer estas merdas só porque me apetece.

Francis said...

gays são os gajos ricos da quinta da marinha.
paneleiros são os gajos do parque eduardo VII.

Francis said...

"com as consequências que uma atitude intolerante acaba por ter nas gerações futuras."

pulha, muito bem dito.

Roberto said...

Francis, acredita em mim e vamos lá falar outra vez a sério: as gerações futuras vão ter muito mais - mais muito mais mesmo - com que se preocupar do que com paneleirices. Estou a falar, por exemplo, de coisas muito sérias como ter comida na mesa, de (quem tiver trabalho) trabalhar 4 dias por semana para pagar o que o Estado desbaratou nas décadas anteriores, de não ter casa para morar ou não ter emprego. Esses são os problemas verdadeiros das gerações futuras, não são as orientações sexuais de meia dúzia de Gouchas.

Dizer que as gerações futuras vão sofrer com a intolerância contra os gays é demagogia barata, discurso de Bloco de Esquerda, um não assunto.

Francis said...

por acaso também acho, os putos hoje em dia até são muito mais tolerantes do que nós. estão mais atentos a coisas que nós no nosso tempo...
nós estávamos preocupados sobre quem tirava o maior macaco do nariz...é a vida.
mas não deixa de ser muito bem dito aquilo que o sacana disse.

Roberto said...

Soa bem, mas é tipo um slogan, tem pouco sumo, ele que me perdoe.
E, se me permites, acrescento uma coisa: um dos principais objectivos dos pais conscientes deve ser, hoje em dia, fazer com que os filhos saiam deste país. Esta merda vai ao fundo e nós não queremos que eles cá estejam, pois não ?
Eu não quero.

Francis said...

os teus vão para onde ?
eu já faço parte um lobbie para os colocar em Londres.
achas bem ?

Roberto said...

Não sei, depende de inúmeras coisas: Inglaterra, Estados Unidos, Suécia, Holanda ou mesmo o emergente Brasil seriam destinos interessantes.
Londres parece-me muito bem.
O mais importante é que fujam daqui.

Nanny said...

Uiii… a coisa “tá preta”, não?

Acho que não é preciso as pessoas “abespinharem-se” por uma opinião… aliás as opiniões valem o que valem, e cada um tem direito a ter sua!

Mas, a jeito de despedida, deixa-me dizer-te que os hetero têm fetiches tão aberrantes como os homo… e agora sou que que te digo que sei do que falo… entenderás como melhor quiseres, até porque eu sou tolerante :D

Beijinhos e Bom Ano