Tuesday, September 13, 2011

Em terras de cegos quem tem um camião é rei

O Tribunal do Comércio de Lisboa, onde são julgados os processos de insolvência (entre outros) não funciona. Os juízes que lá trabalham são poucos e, como quase todos os demais, são incompetentes e preguiçosos. Para além disso, têm trabalho em excesso. Devia existir, pelo menos, o dobro dos juízes.

Como resultado de tudo isto, os processos de insolvência (que por lei deviam ser considerados urgentes) pura e simplesmente não andam ou arrastam-se durante anos (uma certidão com uma folha pode perfeitamente demorar um ano a ser emitida). Os juízes, os funcionários, e o Ministério da Justiça, têm, em relação a este problema, justiça seja feita, uma posição comum: estão-se todos completamente a cagar para o cidadão.

Vem isto a propósito da pressão que de há uns tempos a esta parte tem sido feita pelos tipos de uma empresa de transportes chamada TNC em relação ao processo de insolvência desta mesma empresa. Cada vez que o juiz tem um despacho para proferir, pimba, os tipos metem-se nos camiões e lá vêm eles até Lisboa, estacionar os camiões à porta do tribunal, como forma de pressão para o juiz se despachar.

E NÃO É QUE FUNCIONA ????

Como os tipos vêm com os camiões, estacionam, pernoitam por lá, falam na televisão, o processo deles passa à frente dos milhares de outros que por lá ganham pó nas prateleiras e nas secretárias dos juízes. Ou outros podem ser processos que envolvem mais trabalhadores, situações mais graves e socialmente injustas, fome, miséria, necessidade de atenção mais urgente - conheço alguns de perto - mas como ninguém faz pressão nem aparece na televisão … azarito, ficam para trás.

Portanto, acho que a solução só é uma: seja a falida uma empresa de camionagem, uma olaria, uma fábrica de componentes para automóveis, uma queijaria ou uma casa de putas, se querem que o vosso processo se mova, façam caminhadas até Lisboa e botem-se à porta do tribunal.

Trabalhadores de empresas em processos de insolvência que estejam a aguardar despachos: INVADAM O CAMPUS DA JUSTIÇA, VÃO MORAR PARA A PORTA DO TRIBUNAL, PORQUE SÓ ASSIM ELE FUNCIONA E SÓ ASSIM TÊM A GARANTIA QUE NÃO VÃO SER ULTRAPASSADOS NA "FILA DE ESPERA" POR ESPERTINHOS QUE SE ESTÃO A CAGAR PARA OS OUTROS QUE TAMBÉM ESTÃO À ESPERA DE ATENÇÃO DOS JUÍZES.

Os tribunais em Portugal são uma bosta, todos sabemos, e não se cansam de nos dar provas disso. Esta é só mais uma: o Tribunal do Comércio de Lisboa só funciona se sobre ele for exercida uma pressão ilegítima e que num estado de Direito civilizado seria considerada intolerável. A polícia convidaria os manifestantes, mais delicadamente ou menos delicadamente, a desaparecerem.

Aqui não: produz efeitos positivos e o juizinho lá vai ele, com o rabinho entre as pernas, proferir o despacho que os camionistas exigem. Os que não pressionam que se fodam.

11 comments:

Agostinho o Charmoso said...

Invadir com os camiões o campus? Acho que ia ser bonito.

Bom post Malandrão, parabéns. Quando fores grande vais ser sindicalista. Lindo menino.

Malandrão said...

Não tem nada a ver com sindicalismo, Agostinho. Ou me expliquei muito mal ou percebeste tudo ao contrário.

E nota que o Campus (também conhecido como o "Tribunal de Moscavide" e que é uma das maiores trafulhices do consulado Socratista) já foi por várias vezes invadido por camiões. Ainda hoje ...

Agostinho o Charmoso said...

Malandrão, eu de quando no táquesse lá transporto um sr. dr. advogado e vou perguntando isto ou aquilo, enfim cenas que me tiram o sono e a resposta é sempre a mesma "Isso não dá em nada". Se eles que percebem me dizem isto, eu limito-me à minha insignificância e acredito.

Posto isto tenho uma dúvida, afinal ao nível da Justiça em Portugal: alguma coisa funciona?

Malandrão said...

Resposta: alguns advogados.

Agostinho o Charmoso said...

Sério? Curioso... e nenhum desses quer ser juiz?

Malandrão said...

Sim, há advogados que querem ser juízes porque sabem pouco direito e porque não aguentam a pressão dos prazos. Em Portugal só os advogados é que têm que cumprir prazos. Os juízes tb têm prazos para cumprir, mas podem não cumprir. Cada juiz é um pequeno reizinho com o seu poderzinho.

Agostinho o Charmoso said...

Então na Justiça vale a pena ser juiz para ter o seu trono.

Portanto somos um estado de direito e tal e teoricamente democrático e mais não sei quê, mas com um principado na Justiça? Isso deve meter inveja aos gajos do Mónaco...

Agostinho o Charmoso said...

Já agora o procurador geral da república serve para alguma coisa ou se não estivesse lá o efeito era o mesmo?

Malandrão said...

não serve para rigorosamente nada. Nem vai às reuniões onde devia ir

Goizzzzzz said...

CARREGA malandro!!
de injusticas ja andamos todos fartos, benfica incluido....

para a questao dos prazos, deixo so a nota de que quem os entope funciona como entidade com custos e proveitos devidamente orcamentados e geridos, a comecar por ai acho que ja era um caminho para a luz!
Mas claro, quando o bolso e sempre o mesmo e fundo o suficiente, tal como diz o nada ortodoxo Marinho Pinto, "esses sacerdotes" nao desistirao da santa vidinha que levam.

Goizzzzzz said...

já visto ou não, cá vai!

http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?template=SHOWNEWS_V2&id=505015