Tuesday, October 04, 2011

"Nunca confie em ninguém com mais de 30 anos"



O primeiro acto de educação surge nos povos recolectores com os pais a ensinarem os filhos a caçar, também na China as crianças eram não só treinadas para serem bons guerreiros, mas havia também a preocupação em ensinar artes aos seres em desenvolvimento. Já na Grécia Antiga as crianças eram vistas como propriedade, existiam preocupações com a educação, porém crianças que nasciam com deficiências eram lançadas ao mar. Se isto parece cruel embora distante, é de relembrar que em pleno século XIX as crianças escandinavas com pior comportamento (hoje as ditas hiperactivas) eram lançadas encosta abaixo para “acalmar”. Algumas acalmavam tanto que morriam. Também nas famílias nobres o castigo para as crianças mal comportadas era trancá-las numa gaveta, e também nesse acto muitas sucumbiam.

A forma como as crianças são vistas pelos adultos foi mudando ao longo dos tempo, na nossa cultura ainda somos muito influenciados por Rosseau para quem as crianças são “nobres selvagens”. Ou seja, são bons por natureza e são os pais quem os torna maus.

Rosseau foi um homem interessante, um boémio renegado pela família de origem, vivia no sub-mundo parisiense. Um dia acorda sóbrio numa escadaria e ouve o anúncio a um concurso de escrita. Concorreu e ganhou. Com o dinheiro do prémio conseguiu casa para viver por dois ou três anos, casou e teve dois filhos. Todavia, o dinheiro acabou e nesse momento ele propôs à esposa abandonar os filhos na roda. Daí em diante a vida de Rosseau sofreu altos e baixos financeiros e com várias mulheres pelo caminho, porém, a consciência pesou-lhe por ter abandonado os filhos. O resultado foi um fantástico ensaio sobre a educação de seu nome “Emílio”.

É curiosa a forma como uma geração observa a seguinte, e a seguinte olha para trás. Claro que existem conflitos, mas existem igualmente pontos comuns. O mote de uma geração foi: “Nunca confie em ninguém com mais de 30 anos”, e cada geração teve o seu de forma mais ou menos explicita. Mas a verdade é que existem os memes. Por memes entende-se o que uma geração deixa à geração seguinte.

Vamos supor que existe uma cápsula do tempo na qual podemos colocar objectos, ideais o que vocês queiram. O que gostariam de deixar à próxima geração?

63 comments:

Francis said...

como tenho mais que 30 anos, muito mais mesmo, não comento, pois tu disseste logo para não confiar.

Irritadinha said...

Deixa-te de merdas, vá. Foi o mote de uma geração, pá!

Francis said...

na minha geração era mais gajas nuas, pá.

Irritadinha said...

Afinal não tens mais de 30...

Francis said...

ahahahahahahahahahahah é. ainda faço birras e amuo.

Irritadinha said...

Bilu, bilu...

Eu também. É, mas ainda estou em idade disso.

Abobrinha said...

Mmmmmm... assim de repente apetecia-me deixar a contar da dívida soberana para que a próxima geração a pagasse. Mas não tenho a certeza se alguém já teve ideia igual...

Irritadinha said...

É uma boa ideia Abobrinha, pode ser que a próxima geração seja mais consenciente e não só resolva o o problema como desbrave o caminho para as próximas gerações borrarem a pintura :)

Abobrinha said...

Sim, mas... eu queria mesmo era esquivar-me a pagar!

Irritadinha said...

Então e que tal congelar o tempo? :)

Goizzzzzz said...

Que memes?
não percebi...

Irritadinha said...

Goiz, foca-te moço, que deixavas à próxima geração?

Goizzzzzz said...

focalize, já vai!ahahahaaha
os memes de que falas é o que uma geração deixa à outra? ou referes-te a outra coisa em concreto?

memes? que raio de nome...

Irritadinha said...

Sim, ideais, principios - por exemplo - que vigoram numa geração e os elementos dessa geração passam à geração seguinte.
mas quando faço a pergunta não precisam conceitos abstractos podem ser objectos que caracterizem a tua geração e que consideres importantes para a seguinte.

Goizzzzzz said...

É uma boa pergunta! Mas complicada. Confesso que não tinha pensado nisso na forma de capsula....
Assim de repente não tenho um, tenho vários. O que me leva a questionar de seguida na forma de os transmitir etc...
A percepção para a outra pessoa, daquilo que escolher guardar, é uma imensa variavel.

Sabes a vida.......
aahahhahhahahahahahahahahahaahahahha

Acredito que não haja um escritor que se sinta verdadeiramente interpretado nem uma doutrina seguida à risca. Se levares para o lado religioso, apercebes-te que são vários os mandamentos e crenças que pautam o "bom senso" praticado.

Olha se calhar é só isso "o bom senso"!

Irritadinha said...

Há sempre algo em que a maioria (nem que seja no teu grupo de amigos) concordam que vale a pena e que era giro se continuasse na geração seguinte... :)

Mas ok, é uma boa perspectiva a que apresentas!

Rick von Wolksvagen said...

Comida. Eu gostava de lhes deixar muita comida. As próximas gerações vão precisar.

Nos próximos anos vamos assistir a coisas que pensávamos só aconteciam nos filmes.

Irritadinha said...

Talvez por isso jovem, creio que, angolanos estão emicultura Portugal a aprender agricultura. Um manual de agricultura e sementes seria produtivo.

Irritadinha said...

Falando por mim, gosto da ideia deste novo Ministro da Educação, o que ele quer colocar nesta cápsula do tempo é a matemática. A importância que ela tem na mente das crianças, e não é pouca. Gosto disso, francamente.

O que eu gostaria de deixar na dita cápsula seria um vídeo com paisagens, momentos em família e amigos. Se possível encontrar uma boa definição de respeito ao próximo, a importância da boa formação cívica, e o ser capaz de se colocar por instantes no lugar do outro.

Venha a cápsula que ideia não faltam.

Boop said...

Bem...
Difícil...
Para além da revista pornográfica que o Francis deixaria....(sim que isto - os conteúdos informáticos não são a mesma coisa)

Até porque acho que não evoluímos assim tanto... basta lermos dostoievski para nos apercebermos que os dilemas são e serão os mesmos...

Dificil....

Irritadinha said...

Exacto Boop, muito bem visto. Além do mais eu creio que a histórica é cíclica, está sempre a repetir-se. Já para não falar, como disse o Goiz por outras palavras, o que é considerado bom para uns não é para outros. A percepção enviesa imensa coisa, a nossa capacidade de julgamento e a forma como vemos os outros (a percepção e não só).

Irritadinha said...

Corrigindo:
Talvez por isso jovens, creio que, angolanos estão em Portugal a aprender agricultura.

Um manual de agricultura e sementes seria produtivo. Sem dúvida

Nanny said...

Que tal um confortável sofá e um livro... é que eu acho que a próxima geração já não vai saber o que é desfolhar um livro...

Boop said...

O que mudou foi externo. Agora tomamos banho, podemos movimentar-nos e falar em tempo real para o outro lado do mundo. Temos casas... tiramos férias...

Mas a essência permanece - apaixonamos-nos (ou não) somos rancorosos (ou não) entristecemos (ou não) enlouquecemos... etc,etc...

A deixar ... (essa das sementes foi muito boa!) ... mensagem gravadas por crianças pequenas sobre o que sonhavam para o mundo de amanhã, são eles a próxima geração, não são?

Irritadinha said...

eu juntava a isso um copo de bom vinho (pode ser um barca velha) e uma lareira. Gosto de corromper os puros :)

Boop said...

Eh pá... esse é muito caro e corre o risco de chegar lá estragado!
Também podemos deixar os segredos de como se faz bom vinho... bom queijo... bons enchidos...
E a doçaria conventual....?

Boop said...

Pois... o livro!
Aquela coisa que não gasta energia, que cabe no bolso, que armazena imensa informação, onde se pode escrever, que se pode emprestar, que nos transporta para outros lugares e épocas.
O entretenimento do futuro!

Adoro livros!

Irritadinha said...

Boop, inclino-me mais para uma essência originalmente constante a todos porém alterada pelo contexto. Talvez Descartes tivesse razão e todos nascemos com as sementes da verdade (cá surgem as sementes novamente :)) mas depois o meio e as nossas opções vão sendo o tijolo e o cimento do que somos.

É uma boa ideia, mas não corremos o risco desses futuros adultos dizerem "não sabíamos o que era a vida"?

Irritadinha said...

Guardamos o Barca Velha em vácuo e a forma para eles fazerem mais :)

doçaria conventual é bom e os jogos? O pião, a sueca?

Boop said...

Então irritadinha?
Onde está a esperança nas gerações futuras?
Ou acreditas (também tu ó brutus) que existem gerações rasca?

Irritadinha said...

Sou uma optimista nata, mas igualmente sou favorável a que o aluno aprende com o mestre e depois trilha o seu caminho.

Acho que não existem gerações rasca, cada uma tem defeitos e virtudes é preciso enquadra-las no seu contexto histórico e mesmo que não concorde com os seus princípios saber reconhecer que o que fizeram, assim como o que não fizeram teve o seu fundamento.

Boop said...

Sabes estou treinada (qual cão de caça) a olhar para o individuo, não para a sociedade.
E acho cada um apaixonante, complexo nos seus sofrimentos, conquistas, inquietudes e paixões.

Temos é de ensinar as pessoas a pensar - que é coisa que também se aprende e de pequenino.

Deixaria também bons livros de pedagogia!

Francis said...

fosga-se, querem beijinhos e abraços ? querem ?

Irritadinha said...

Noto que sim, também eu ando a ter treino para olhar para o individuo mas mesmo assim gosto de ter em atenção o contexto em que ele se insere. Na minha opinião torna a leitura mais completa, porém nada torna a minha leitura mais válida que a de outra pessoa.

Até porque sou uma mera aprendiz :)

Boop said...

Francis, se forem teus... sim!

Irritadinha said...

Eu quero, fresquinhos sff :)

Francis said...

vá, cheguem aqui, abracinho da paz e amizade...todos juntos...epá beijo na boca não vale...olha aí...atenção.

Boop said...

Claro irritadinha,
jogando com o contexto, familiar, comunitario, social, macro-económico... etc, etc.....

Irritadinha said...

Quem é que me apalpou o rabo?

Boop said...

Ai!
Estes abraços de homens maduros com mais de 30 anos são outra coisa irritadinha....
Aqui os putos não lhes vencem!

Irritadinha said...

A raça e as suas crenças :)

Francis said...

tira a mão, pá. não há respeito.

boop, chega mais aqui, chega.

Boop said...

Eras tu?
Desculpa pensava que era o Francis...

Irritadinha said...

Boop o único abraço desses que conheço é o do meu pai, que vale por todos.

Irritadinha said...

Mau... Vocês entendam-se vou ali fumar e deixar-vos...

Goizzzzzz said...

Comer à mesa!
Mas comer em familia e em amigos.
Pelo o prazer de partilhar comida e de fazê-la.
De ter um momento em comum com todos e de fazer dele uma troca de experiências.

Vamos perdendo certas coisas e tomamos outras por adquiridas. Consequência da evolução dos tempos, bem sei....
Mas o sentimento de partilha é sempre o mesmo.

Ir a concertos, partilhar e fazer sentir a musica.
Aperceberes-te que o que sentes não é só teu e satizfazeres a tal necessidade de pertença, que não podes fazer sozinho.

Essencialmente isso, comida e musica!
E o bom senso no geral! =))

Boop said...

Ó mulher sai já da frente do computador e vai abraçar homens como deve de ser!!!!
(é que gosto de abraços, porra)

Boop said...

Não fumes... abraça!
Ehehehe
Havia de ser divertido....

Irritadinha said...

Goiz e a bambi pá? Não colocavas lá a bambi?

Francis said...

ahahahahahahahahahahahahahah boop não apertes com a menina, pá....

Irritadinha said...

Boop não posso responder, sorry. Seria mal interpretada :)

Irritadinha said...

Isso ainda estou na fase da pureza ahahahah não me corrompam!

Boop said...

Nada é mais cândido que um abraço!

Irritadinha said...

depende da intenção com que os teus braços envolvem o outro :)

Boop said...

Agora vou abraçar o trabalho!
;)
Gostei deste bocadinho!

Irritadinha said...

Foi um gosto :)

Francis said...

um grande gosto....eu cá gramei que me apalpassem o rabo.

Irritadinha said...

Dado. Fácil.

Francis said...

não me apalpasses...

Irritadinha said...

Estava a estudar anatomia humana, francamente uma pessoa até quando quer aprender é repreendida.

mfc said...

Tou tramado!!!

Luis Bento said...

Só por mera distracção tenho andado arredio de um espaço de alta qualidade, humor e ironi. Dá que pensar e irrita as mentes pequeninas... Pronto, confesso... por vezes fico irritado...Mas volto!

Irritadinha said...

Volta Bento! Com ou sem irritação!