Wednesday, November 09, 2011

Vergonha? Era verde e o burro comeu...

Próximo a uma paragem lá estava eu com o vidro aberto, que a chuva é boa para lavar os estofos, ouvindo as conversas da paragem de autocarro.

Cinco manfios. quatros eram asiáticos e um era um puto português que nem cara tinha para levar uma chapada. O puto pintas falava em alto e bom som para quem quisesse ouvir: "Tu agora apanhas o autocarro para as Galinheiras e não sais de casa. Se a bófia te for bater à porta dizes que não foste tu e tens uma testemunha e dás o meu número e eu safo-te!". Aquele mija-na-escada falava com mais desenvoltura sobre a merda que tinham feito e como tapar o cheiro do que o Prof. José Hermano Saraiva fala da História de Portugal.

O pequeno manfio tuga deixa os seus pupilos na paragem e segue caminho, não sem antes deitar fora qualquer coisa que mal ele virou costas os indianos foram buscar e guardaram.

São merdas destas que sinceramente me fazem pensar: "Que caraças andas cá tu a fazer?". Começo a achar que sou um ET e caí no planeta errado, porque não encontro grande eco de alguns dos meus princípios nos outros.

É disto que eu gosto nos países ditos de 3º mundo... "Roubou? Sim, senhor. Agora cortamos-lhe uma mão. Se aprender a roubar com a esquerda procure não se apegar sentimentalmente a ela..."


Mas não se pode punir os meninos que eles não têm idade para isso, coitadinhos. Mas para fazerem porcaria têm idade e moral e o resto. "O paizinho é bêbado e a mãe é cigana", so what? Ah.. pró caraças mais as leis da treta.

Também não podemos ter câmaras nas ruas que os cromos da protecção nacional de dados lembram-se de que estão vivos e os cidadãos têm direito à privacidade. E à segurança não têm? Afinal qual é o problema das câmaras, podem apanhar uma figura do estado com a amante ou a contratar uma prostituta?

1 comment:

schindler said...

Não diria melhor!!!