Wednesday, December 28, 2011

Os animais também falam

Chavez especula que EUA podem ter método para desenvolver cancro nos líderes sul-americanos

O Presidente venezuelano Hugo Chavez, que está a ser tratado a um cancro, especulou na quarta-feira que os EUA podem ter desenvolvido uma forma de fazer com que os líderes da América latina desenvolvam este tipo de doença.
As declarações surgem depois de ter sido noticiado que a Presidente argentina Cristina Kirchner se juntou à lista de presidentes diagnosticados com a doença. Kirchner tem cancro da tiróide.

Foi uma típica declaração controversa do líder venezuelano, que foi operado em Junho para retirar um tumor da pélvis. Chavez, porém, sublinhou não estar a fazer acusações, apenas a pensar em voz alta.

“Não seria estranho se eles tivessem desenvolvido tecnologia para induzir cancro e ninguém soubesse disso até agora... Não sei. Estou apenas a reflectir”, afirmou, num discurso feito numa base militar, transmitido na televisão.

“Mas isto é muito, muito, muito estranho...”, acrescentou. “É um pouco difícil explicar isto, perceber isto, mesmo usando a lei das probabilidades”.

Para além de Chavez e Fernandez, o Presidente do Paraguai Fernando Lugo, a Presidente brasileira Dilma Roussef e o ex-presidente do Brasil Lula da Silva foram todos diagnosticados recentemente com cancro.

Monday, December 26, 2011

Desafio para o Natal de 2012

"Os portugueses viveram muitos anos acima das suas possibilidades. Agora vão ter que se habituar a viver abaixo das suas necessidades"
Já não sei de quem é esta frase, mas acho-a muito acertada.
A famosa "crise" tem muitos efeitos maus, mas, curiosa e felizmente, alguns menos maus.
É muito verdade que, como alguns dizem, as melhores coisas da vida são de borla.
Para além das tradicionais (que necessariamente envolvem pouca ou nenhuma roupa), muitas outras existem. Voltarei ao tema.
O Natal foi, desde há muitos anos, transformado numa época de consumismo desenfreado. Presentes, presentes, presentes, a quem precisa e a quem não precisa, num disparate consumista com poucos limites. A ideia de "ter que" comprar um presente é doentia. É uma "obrigação" absurda e sem o mínimo sentido.
Os presentes são dados quando apetece e tem que ser a coisa certa, algo que apetece dar, algo que faça falta, algo que foi feito por quem oferece, sei lá. Penso sobretudo em aniversários, isso sim.
O Natal na versão "Pai Natal" é literalmente uma estupidez versus a versão "Menino Jesus". O Natal é uma festa dos católicos e não uma festa dos comerciantes, ponto final parágrafo.
Na sua versão corrente, o Natal é uma invenção dos comerciantes, tal como o dia do pai, da mãe, dos namorados ou o raio que o parta.
Em resumo, por muito que já tenha errado, e errei, actualmente sou contra presentes no Natal, por "obrigação", ou seja, contra a patética gastança de massa no Natal, só porque tem que ser.
Pode agora acontecer que, por "milagre", as pessoas se apercebam da estupidez que é gastar o dinheiro que têm e o que não têm no Natal (o 13º mês e o Visa a funcionar). A crise pode ajudar as pessoas a caírem na real.
O Natal devia ser um MOTIVO para aproveitar para as famílias e os amigos se aproximarem ou reaproximarem, comerem umas iguarias a propósito (e se não comerem nada de especial também não é grave), o importante é estarem juntos e conviverem. As pessoas juntam-se e simplesmente convivem (é tão bom …): revêem-se, falam do que se passou durante o ano (caso não tenham tido muitos contactos), riem-se, choram, lêem um livro em voz alta à lareira, contam anedotas, jogam às palavras ou à sueca, bebem um pouco demais (porque não ??), brincam, dão um passeio juntos, a pé ou de bicicleta (há sítios tão giros para passear, caraças), dançam o ai se eu te pego ou outra coisa qualquer, dão as mãos, dormem nos colos uns dos outros (é tão bom dormir no colo de alguém), o que quiserem. Estas são, definitivamente, as melhores coisas da vida. E, bolas, tudo isto é DE BORLA. O Natal é isto e não devia ser outra coisa. O Menino Jesus nunca quis que se gastasse tanto dinheiro no seu aniversário.
Ainda assim querem dar presentes ? Tudo bem, dão presentes feitos pelos próprios. Uma moldura feita com carinho e paus de gelados, um pudim abade de priscos mal atamancado, uma pega feita com restos de lãs ou um cachorro abandonado recolhido num canil, valem cem vezes mais do que uma qualquer porcaria cara comprada a correr num centro comercial apinhado.
O Natal deveria ser aproveitado para gozar tudo o que de bom há na vida a custo zero (e são tantas coisas, mas mesmo tantas tantas tantas) e não para gastar dinheiro a rodos, num consumismo sem sentido. As pessoas têm que se habituar a um novo ciclo e espero que a crise contribua para isso.

Por tudo isto, e se me é permitido, desde já, e com um ano de antecedência, daqui lanço o meu apelo para o Natal de 2012: NÃO DÊEM presentes comprados a eito. Não gastem dinheiro no Natal. Um Bom Natal é um Natal com saúde, a conviverem com quem gostam, com muita alegria. O resto não faz falta. Não é preciso gastar dinheiro para ter alegria. Repito: NÃO É PRECISO GASTAR DINHEIRO PARA SER FELIZ COM AQUELES QUE AMAMOS.
O lado bom da falta de dinheiro é este: une as pessoas e alerta-as para esta realidade muito simples – AS COISAS BOAS DA VIDA SÃO DE BORLA.
Vamos vivê-las ??????????????

Playground.

Thursday, December 22, 2011

Tuesday, December 20, 2011

A RTP 1


Não vale nada. Fora com eles, chulos.
Ordenados daqueles cromos todos que fizeram aquele programa degradante que é o Natal dos Hospitais, prá aí 100.000€/mês eles todos.
Hoje em dia, tempos houve em que sim aquilo levava alegria a alguém, o que eu vi este fim de semana tinha 23 pessoas a assistir. Uma vergonha.

A RTP 2 faz um trabalho excelente. Pois, não passa novelas. Mas quem é que ainda quer ver novelas ?

apedaite; E na TVI, domingo à noite, deram uma amostra do novo álbum do cromo que se espalhou na A1, o Sandro Milton, receei que na embalagem ainda tivéssemos que levar com a Cesária...porra, que medo.

Monday, December 19, 2011

O nosso rio Tejo

Eu acho que o rio Tejo é de todos. Quem diz o rio Tejo, diz as respectivas margens. A margem do Tejo é nossa, ponto final parágrafo. Por isso, tudo o que seja construção na margem do nosso rio, que nos tire a vista, a margem e os passeios, irrita-me profundamente. Estou a falar de hotéis de luxo, terminais para contentores, docas-pescas, quartéis, ou, agora, um mega hospital.
O Champalimaud Centre for the Unknown, nome pomposo e piroso em estrangeiro, é o mamarracho (literalmente) mais recente que nos rouba parte do nosso rio. Não quero pôr minimamente em causa o altruísmo do projecto, a bondade das ideias, a valia do "centre" whatever that means. Acho tudo muito muito muito bem e sei distinguir entre fundações instituídas por boa gente rica de fundações de mafiosos (tipo Berardo).
Só critico o local.
Porquê na margem do nosso Tejo ?
Porquê ali, na zona ribeirinha, num local difícil para construir, com acessos complicados e que, quando aquilo estiver a todo o vapor, vai criar o caos na zona ?
Por causa do "estilo" do Tejo. Das vistas.
OK, até compreendo, pois também gosto.
Roubaram-nos uma parte do nosso rio, colocaram ali umas toneladas de tijolos, cimento e pedras e ficaram com vista em cima do Tejo, dentro do Tejo. É isso: nós todos perdemos uma parte do nosso rio, mas alguém ganhou. Até dou de barato que pode ser bom para a saúde ter quartos, salas de espera, gabinetes médicos, seja o que for com vista para o Tejo. Nós perdemos, mas alguém ganharia, seria troca-por-troca. Gosto tanto do rio que admito que um doente recupere melhor num quarto com vista para o rio. Nós perdemos, mas alguém "lucraria", e muito, não se fala mais nisso.
Todavia, é aí que a porca torce o rabo.

Experimentem circundar, a pé, o Champalimaud Centre for the Unknown (nome do caraças !) e ver as janelas, varandas e vistas em geral que o mamarracho tem para o Tejo. Exceptuando as mega janelas do restaurante Darwin (que parece que nem é grande coisa), sabem quantas tem ? ZERO. As dezenas de janelas que o centre tem estão todas viradas para … terra. É deprimente mas é verdade. Não vão acreditar, mas não há janelas viradas para o Tejo !!!
O tal centre poderia ter sido construído em Benfica, em Alfragide, nas Telheiras ou no Tagus Parque. Para os utentes, era igual ou melhor (e nem precisariam de criar uma linha especial de autocarros para o servir). Teriam autocarros, talvez metro e outras facilidades de trânsito e de acesso. Contudo, não teriam o "estilo", a "vista total de mar", o poderio de que acabam por não usufruir. Assim, tiveram a desnecessária manifestação de poder e influência (mal usado) que lhes concederam a tal localização ultra privilegiada, sabe-se lá a troco de quê.

Repito, por isso, a sugestão, porventura maliciosa: circundem aquela mega-construção, aquele verdadeiro bunker, e tentem perceber porque é que aquilo – tão bom e tão altruísta no seu âmago – teve que revelar uma faceta tão portuguesinha de autoritarismo de quero-posso-e-mando desnecessário.

2 apontamentos do fim de semana.


Os professores e Passos Coelho. Eu explico aquilo que ouvi; Vocês são uns preguiçosos do caralho. Preferem ser 15.000 no desemprego, nem subsidio recebem pois são a recibos verdes. Em vez de se fazerem à vida, vão para a rua, fazem papel de coitadinhos e, no limite, estão fodidos. Então ele, faz o vosso trabalho de casa. Há países lusófonos com necessidade de professores, vão lá inscrevam-se e vão ganhar dinheiro. Façam-se à vida, foda-se. Antigamente eu pensava que a tropa, e a policia, era para quem não sabia fazer mais nada, nos últimos anos isso passou a ser os professores. Tirei um curso não sei o que fazer com ele, vou para professor. De certeza, tenho a certeza, que mais de 80% dos casos é isto mesmo. Qual vocação qual quê...aturar putos mal educados, ser agredido, tanto fisicamente com verbalmente, pelos filhos dos outros ? Tenham dó.
Duarte Gomes, esse grande anormal da arbitragem. Fosse o Sporting ter dito aquilo que disse o Papa, bem o merecias meu grande palhaço, pelas vergonhas que fizeste em Alvalade, e tu, mais o teu amigo Proença faziam greve. Não, veio o Papa falar...e tu, que fizeste ? Amochaste, foste ao Facebook e disseste que erraste. Deve fazer-te falta o cheque lá de cima. Palhaço, és um palhaço.

SEIS

"A característica criatividade pessoal do número TRÊS vai encontrar-se num estado mais elevado de consciência no número SEIS. Os sentimentos e o pensamento do DOIS combinam com o mundo material do QUATRO na forma de 2 + 4 = 6. Ao encontrar-se o número SEIS num nome, verificamos que o intelecto consegue criar no campo da imaginação, ao contrário do intelecto prático simbolizado pelo número QUATRO.
O número SEIS está associado ao amor, à saúde, à beleza, à harmonia, à paz, à simpatia, ao acaso e à sorte. A estrela de seis pontas é formada por dois triângulos, um virado para baixo (masculino - fogo e ar) e outro virado para cima (feminino - terra e água). A imagem dada pela criação do Mundo em seis dias reflecte no o número SEIS, o símbolo do acabamento e da perfeição.

Quando encontramos um número SEIS dominante num nome, podemos verificar uma bela combinação de características celestiais. O génio e a originalidade do intelecto florescem a este nível. Frequentemente, as pessoas com um número SEIS dominante exibem desapego em relação às coisas mundanas. Normalmente são pessoas bonitas e com muito charme. Estas pessoas têm dificuldade em lidar com a dura realidade do mundo e também com pessoas onde o QUATRO e o SETE sejam dominantes. O problema principal do número SEIS é não saber estabelecer limites, contudo um número SEIS bem integrado, confere à pessoa uma clarividência e um conhecimento íntimo profundo e penetrante. Pessoas com o número SEIS no nome têm uma boa capacidade de compaixão, uma verdadeira compreensão e amor pelos outros - mesmo que seja apenas fraternal e humano. Este número simboliza relações de toda a espécie - os que têm um SEIS dominante arriscam-se a perder demasiado tempo nas relações com os outros e a não guardar tempo suficiente para a relação consigo mesmos. Nas relações amorosas, tendem a exagerar o valor do amor que dão e a desvalorizar o amor que recebem.

As pessoas com um SEIS dominante no nome têm uma excelente visão global de qualquer situação, mas podem ser “cegas” em relação ao pormenor. Do ponto de vista prático, estão mais interessadas na apresentação, na forma e na cor do que na maneira como as coisas realmente funcionam."

Thursday, December 15, 2011

Monday, December 12, 2011

Creep

Sunday, December 11, 2011

O Ipad

No princípio fui um tanto céptico em relação ao Ipad (mais ou menos durante a fase do Ipad 1). Pertencia ao grupo daqueles que entendia que aquilo era muito giro mas que não servia para nada.
Entretanto, no último verão, mais ou menos por impulso, decidi comprar o Ipad 2.

Estou maravilhado com esta máquina. Ao contrário do que eu pensava, serve para quase tudo.
Faço telefonemas (por Skype ou Viber) e videochamadas (por Skype, Viber ou Facetime)
Envio SMS's (por Viber ou iMessage)
Navego pela net em qualquer lado onde esteja (a opção sem 3G parece-me errada).
Mando e recebo emails e tenho o office instalado (infelizmente, o Numbers fica um bocado longe do Excel).
Compro, guardo e leio livros, jornais e revistas.
Tenho acesso a inúmeros jornais, revistas e outros sites de informação completamente de borla.
Posso tirar, guardar, alterar e enviar fotos e filmes.
Posso ouvir qualquer estação de rádio do mundo.
Posso ver televisão.
Compro cd's e dvd's, que guardo e posso ver/ouvir no "bicho" (embora só tenha uma coluna, julgo que ao contrário do Galaxy).
Tenho alguns jogos instalados e milhares de jogos disponíveis.
O GPS funciona de forma perfeita.
Embora eu não use, existem aplicações próprias para todas as redes sociais.
Se o perder ou mo roubarem posso descobrir onde está (enquanto não for desligado).
A bateria dura vários dias (ao contrário do que sucede com o Iphone).
E depois tenho toda a panóplia inerente à internet (previsões do tempo, câmaras de trânsito, comparativos de preços de bombas de gasolina, etc. etc. etc.).
É isto e ainda mais coisas que me esqueci, metido nestas míseras 600 gramas.

E, como se tudo isto não fosse suficiente, o Ipad tem aquele ecrã led macio, sedoso e agradável ao tacto. A forma voluptuosa e sensual, quase lasciva, como deslizamos, tocamos e pressionamos levemente com um dedo, depois abrimos e fechamos com dois ou mesmo três dedos (a função "ampliar ou reduzir" do zoom consegue-se com "dois toques com três dedos"), sempre com jeitinho e sem fazer muita força, como que acariciando aquela superfície delicada (ninguém "tecla" ou "clika" num Ipad !), é um requintado bónus a acrescer a tudo o resto.

Tenho para mim que se o Steve Jobs tivesse vivido mais uns tempos teria inventado um ecrã que, depois de alguns toques, começaria devagarinho a humedecer.
Espero que lá cheguemos.

Francis, man: toma lá a bola que eu vou ali já venho. O palco é todo teu.

O Francis continua amuadito ?

Friday, December 09, 2011

Guerra pela sobrevivência

No dia 5 de Dezembro escrevi: "vão começar a ser assaltados talhos e mercearias, não para roubar meia dúzia de euros, mas para roubar COMIDA."
Infelizmente, o futuro deu-me razão, e começou de uma forma mais crítica e mais cedo do que eu pensava: ontem à noite "o armazém do Banco Alimentar Contra a Fome de Braga foi hoje assaltado".
Foi um assalto para roubar de dinheiro ? Não.
Foi um assalto para roubar jóias ? Não.

Os assaltantes levaram "cerca de 100 quilos de géneros alimentícios".

Os assaltantes roubaram um armazém de comida para os mais pobres para levarem precisamente COMIDA.

ROUBARAM CEM QUILOS DE COMIDA PARA OS POBRES.

Isto não vai acabar nada bem. Que ninguém pense que está a salvo da guerra que aí vem.

Mesmo que não tenham dado por isso, a guerra pela sobrevivência já começou. E vai ser feia.

Para além de um cão, também tenho um pássaro...

Que mora aqui:


video

Thursday, December 08, 2011

Post de amor ao meu cão

Eu tenho um cão. Um Labrador. Lindo de morrer. Até prova em contrário, é a melhor raça de cães que existe.

Não gosto de cães pequenitos nem de cães perigosos. Adoro cães, mas não gosto mesmo nada de cães arraçados de gatos (cães de colo) e odeio cães de raças violentas.

Gosto de cães amigos, fiéis, companheiros, amistosos e não perigosos.

E tu, meu Labrador, és tudo isso. És um amigão, um companheirão e és extraordinariamente pacífico e simpático.

Adoras pessoas grandes, pessoas pequenas e pessoas mínimas. Adoras pessoas, ponto final parágrafo. Posso deixar-te no meio de bebés e virar costas descansado porque sei que o "pior" que vais fazer é enchê-los de lambidelas (meu Deus, como tu gostas de dar lambidelas !).

És o cão mais feliz do mundo desde que tenhas companhia. Não pedes mais, não és exigente. Dêem-te companhia e vão ver um cão alegre.

Adoras agarrar coisas com a boca. Sejam ossos, laranjas, pantufas, nêsperas, garrafas de plástico vazias, o que for. Juro que invejo a tua imensa felicidade com tão pouco.

Gostas mais de praia do que eu (o que não é fácil). No Verão, em praias "especiais" (onde se podem levar cães, apesar de alguns destes se portarem melhor que algumas pessoas), tomamos grandes banhos, nadamos juntos e até fazemos "carreirinhas" (às vezes fazes sem querer, mas podes ser completamente enrolado pelas ondas que mesmo assim não desistes e voltas para a próxima "tareia". Compreendo-te porque também gosto de ser enrolado por ondas e às vezes lá vamos os dois às cambalhotas).

Tens diferentes tipos de latidos: percebo se estás chateado, se estás a chamar alguém, se estás a pedir algo ou se queres só brincadeira. Também podes querer só festas, passas-te com festas.

Percebes perfeitamente algumas palavras que te dizemos: "biscoito" e "passear" são, entre outras, palavras mágicas para ti.

O teu corpo "fala": quando estás muito feliz, não abanas a cauda – abanas toda a tua metade traseira, fazendo "esses" com o corpo. As tuas orelhas movem-se desde muito para trás (quase desaparecendo) até muito para a frente, cada posição com o seu significado. Quando sabes que fizeste asneira, chegas as orelhas para a frente, olhas para o chão e sim, pedes desculpa. O meu cão pede desculpa.

Tu petiscas tudo, mas tudo mesmo. Para além da ração "especial" (tem que ser), comes peixe, todos os tipos de fruta (descascas laranjas !!!!!) e, se te dermos, pelas-te por amendoins, tremoços e tudo o que siga bem com as minhas cervejinhas (mas isso, até ver, eu não te dou !).

Tu és, sem dúvida, um dos meus melhores amigos. Eu sou óptima companhia para ti (modéstia à parte) e tu és óptima companhia para mim. Temos grandes "conversas" de homem para cão e aprendemos muito um com o outro.

Se for necessário protegeres-me, tu não hesitas e proteges-me e vice-versa (lembraste daquela vez que te safei de um sacana de um gato raivoso no jardim de Paço de Arcos ?).

Se for necessário dares a vida por mim, sei que a dás, mas espero que nunca seja necessário (nem o inverso, porque juro que não sei o que faria).

Eu adoro-te, meu cão.

E sei que tu me adoras da forma mais pura, mais sublime e mais nobre que existe.

Estupidez na sua forma mais pura

A notícia - que não parece mas é verdadeira - é a seguinte:

«Coisas de miúdos ricos mimados» foi como uma fonte policial classificou o incidente desta madrugada em que um grupo com cerca de 20 jovens se envolveu em confrontos à porta da discoteca BBC, em Lisboa. Dois dos jovens receberam tratamentos médicos.

Outra fonte policial, ligada à Divisão de Investigação Criminal, adiantou à Lusa que, na origem das agressões, «possam estar rivalidades entre ‘meninos da linha’ e de Lisboa», classificando os motivos do grupo envolvido nas agressões como «coisas de miúdos ricos mimados».


Imagine-se o que seria se a dita Divisão de Investigação Criminal produzisse um comunicado com o seguinte teor:

«Coisas de miúdos pretos e pobres» foi como uma fonte policial classificou o incidente desta madrugada em que um grupo com cerca de 20 jovens se envolveu em confrontos à porta da discoteca Dance, na Cova da Moura. Dois dos jovens receberam tratamentos médicos.

Outra fonte policial, ligada à Divisão de Investigação Criminal, adiantou à Lusa que, na origem das agressões, «possam estar rivalidades entre ‘manos da Brandoa’ e da Amadora», classificando os motivos do grupo envolvido nas agressões como «coisas de miúdos pretos, pobres e violados pelos tios».

Ou então:

«Coisas de chungas ciganos e drogados» foi como uma fonte policial classificou o incidente desta madrugada em que um grupo com cerca de 20 jovens se envolveu em confrontos à porta da discoteca Pónei Selvagem, na Cova da Piedade. Dois dos jovens receberam tratamentos médicos.

Outra fonte policial, ligada à Divisão de Investigação Criminal, adiantou à Lusa que, na origem das agressões, «possam estar rivalidades entre ciganos e drogados», classificando os motivos do grupo envolvido nas agressões como «coisas de chungas ciganos, pobres e desprezados pelos pais».

Seria giro, hein ? Acho que se chamaria, no mínimo, "discriminação".

Wednesday, December 07, 2011

Os "comediantes" portugueses

Pergunto-me muitas vezes se há actores cómicos em Portugal.

Sinceramente acho que não há. Nunca na vida teremos algo sequer parecido com os Monty Python portugueses.

Todos aqueles que, ao longo da sua vida artística, fizeram alguns papéis cómicos, acabaram por se revelar tipos intrinsecamente azedos, mal formados, arrogantes, novos ricos, convencidos ou que simplesmente se limitavam a representar textos escritos por outros e nós achávamos que eram muito divertidos e que o humor provinha mesmo deles.

Lamento mas não tinha - ou não tenho - a mínima pachorra para o Raul Solnado, o Nicolau Breyner, a Ana Bola, a Margarida Carpinteiro (arghhh) ou o raio que os parta.

As únicas excepções, para mim, são aqueles que sobressaem por serem bons imitadores ou alguns que são verdadeiramente tipos engraçados.

Quanto aos primeiros, o Herman faz boas imitações (a única coisa de jeito que faz, de resto é lixo), a Rueff também, e mais dois ou três. E ficam-se por aí.

Quanto aos tipos divertidos, é impossível negar que os Gato Fedorento eram muito bons, tal como os Contemporâneos.

Fizeram carreira ? Continuaram a alegrar os portugueses ?

Nada disso. Eram giros quando apareceram e quando tinham poucos meios. Depois tornaram-se muito importantes, começaram a ganhar muito dinheiro e, muito cedo e muito jovens, renderam-se ao capital e ao dinheiro fácil.

Os Gato Fedorento são, neste momento, os palhaços de serviço de campanhas publicitárias. Acabaram a carreira, agora são figurantes em anúncios pseudo cómicos. É a profissão deles. Os Contemporâneos dividiram-se e cada um faz pela vida em anúncios, novelas ou programas de televisão abjectos.

Ultimamente, outros tipos também putativamente engraçados resolveram imitar os Gatos e são a imagem de uma horrorosa campanha da CGD, supostamente com piada, mas na verdade sem a mínima.

Aqui surgem, por exemplo, o Bruno Nogueira e o Miguel Guilherme. Dizem umas larachas e tal, têm a mania que são mais engraçados do que aquilo que na verdade são, armam-se em politiqueiros de meia tigela, devem ser uns fulanos ultra ácidos no quotidiano, vestem a roupa de comediantes e lá vão eles tentar fazer rir o pagode.

Há uns dias, por convite, tive a infelicidade de ver o Nogueira e o Guilherme numa coisa chamada "É como diz o outro".

Confesso que não acho muita piada nem a um nem ao outro. Admitamos, porém, que são actores razoáveis, dou isso de barato, quem sou eu para julgar. Quanto ao resto, tinham os textos decoradinhos, fazem a peça toda de uma forma absolutamente mecânica (sem a mínima espontaneidade ou darem a impressão de que estão a gostar do que estão a fazer), esforçam-se, é certo (apesar de não revelarem o mínimo empenho para criarem empatia com o público), e até merecem o bilhete que se paga.

E têm piada ? Alguma. Pouca. E a pouca que têm muitas vezes é confundida com ordinarice e rasquice, o que infelizmente é habitual.

Limito-me a referir um "episódio" metido à martelada, sem vir minimamente a propósito, em que o Guilherme sonhava que estava a bater num "tipo gordo e feio chamado Francisco José Viegas". Vinha a propósito ? Não. Teve piada ? Não. Era só a bicada política, o cumprimento do suposto dever de que os supostos intelectuais bem-pensantes têm que atacar os políticos.

E como acabou esse sonho ? Com o Guilherme a "meter a caneta Montblanc no cú do Francisco José Viegas" (sic). Engraçadíssimo, não é ? Não, não é. É rasca. É ordinário. É deprimente. Não tem a mínima piada.

Desistam do "humor" e dediquem-se aos anúncios cinzentos a bancos, a ganhar muita massa com isso, é o meu conselho.

Meio episódio dos Simpson apresenta, sem dificuldade, um humor mais sadio, mais eficaz e mais inteligente do que a "peça" toda "É como diz o outro".

O Homer Simpson é cem vezes mais inteligente e divertido do que o Bruno Nogueira e o Bart Simpson é cem vezes mais hilariante do que o outro.

É preciso sair de casa e pagar bilhete para rir a bom rir, com inteligência e sem rasquices ?

Não, basta ligar a Fox.

Em tempo de crise, é esse o meu conselho: não paguem para ver "humoristas" portugueses, a menos que achem piada à cena de meter canetas no cu de governantes. Procurem divertir-se com programas de televisão: riem-se mais e é de borla..

Parece que isto está mesmo a estoirar ...

Tuesday, December 06, 2011

Vergonha na puta da cara

O Diário de Notícias descobriu agora que existe um site em que são publicados os ajustes directos (http://www.base.gov.pt/_layouts/ccp/ajustedirecto/list.aspx). Andou a espreitar, viu lá umas coisas que lhe pareceram estranhas, um jornalista fez três ou quatro telefonemas e surgiu a matéria para a capa de hoje: os ajustes directos aos escritórios de advogados (faltou a referência à mais recente e mais escandalosa de todas: a encomenda da lei orgânica do superministério do Álvaro).

Faltou-lhe, ainda, perceber um outro detalhe (e que, depois de há muito tempo ter também cuscado o site com uma lupa, me saltou logo à vista): muitos dos ajustes directos – nomeadamente do Banco de Portugal – foram feitos depois de a Troika ter … proibido os ajustes directos, o que passou ao lado do Sr. Jornalista.

Mas há pior. O jornalista não percebeu muito bem o que estava a fazer e baralhou-se. Acontece. O que o incomodava era a inexistência de concurso publico e porquê o ajuste directo. Teve as respostas óbvias que merecia: eram assuntos urgentes e tal, e lá lhe deram a volta num instante.

A grande notícia acaba por ser uma grande não notícia. Lixo.

O que ele tinha que perguntar ao Banco de Portugal, ao Ministério da Economia, às Estradas de Portugal, à Câmara de Oeiras e por aí fora era o seguinte:

- O que é que os advogados internos, que são às pazadas, andam por aí a fazer ?

- Em relação aos advogados homens, ainda percebo (coçam os tomates), mas … e as advogadas ?

- Porque é que recorrem a advogados externos pagos a peso de ouro quando têm dezenas de advogados internos que podem fazer o mesmo trabalho ?

E, se o Sr. Jornalista fosse curioso, atrevido e quisesse ir um pouco mais longe, também podia perguntar: e o dinheirinho é a dividir por quantos ?

Farto-me de dizer isto: enquanto não falir pelo menos uma das grandes sociedades de advogados não estão verdadeiramente a ser feitos esforços no sentido de reduzir a despesa pública. Não é que nesta altura isso faça muita diferença, mas mesmo quando o barco está a afundar conviria ter algum decoro, honestidade e vergonha na cara.

Vergonha na puta da cara, como diz o outro. Mas isso eles não têm.

Monday, December 05, 2011

Coisas muito sérias

Estou muito pessimista quanto aos próximos anos, em relação à Europa em geral e a Portugal em particular. O Euro e outras loucuras mal pensadas desde início vão acabar. Os "pais" da União Europeia foram umas bestas.

As falências vão disparar assustadoramente. O desemprego vai aumentar astronomicamente. Há bancos que vão desaparecer, sim, o BCP e o BES, por exemplo. Vai haver muita fome, mas muita mesmo. Chamem-me pessimista, mas acho que vão haver revoltas, saques e pilhagens a eito. Acredito piamente que, tal como hoje se assaltam bancos (ou assaltavam, porque os bancos já não têm nada para roubar, tentem levantar 1.000 euros num banco e vejam só a confusão que dá), ourivesarias e caixas multibanco, vão começar a ser assaltados talhos e mercearias, não para roubar meia dúzia de euros, mas para roubar COMIDA.

O Estado vai falir e não vai haver dinheiro para pagar reformas, subsídios de desemprego, medicamentos ou seja o que for.

Daqui a uma década as populações no interior vão desaparecer. Não vai haver indústria, comércio ou seja o que for no interior que possa gerar riqueza. Vamos ter inúmeras auto-estradas maravilhosas que nos levam a … nada.

As próprias democracias estarão em risco (e não sou só eu quem o diz). As guerras civis vão ser uma realidade. Vamos assistir a desgraças que nunca pensámos ver.

Tenho para mim que os governantes europeus (e não só os governantes, os ricos também) já sabem perfeitamente o que nos vai acontecer. Contudo, não podem dizer. Compreendo: de outra forma seria o caos total. Eles querem, e bem, um caos mais ou menos controlado. Admitindo que esta minha teoria catastrofista está correcta, hoje houve um episódio que o confirmou.

Uma ministra italiana, ao anunciar mais cortes aos pobres – sim, os pobres é que se vão foder, como sempre – não conseguiu representar mais e não foi capaz de dizer a palavra "sacrifícios". Sim, ela sabe. Ela sabe o que vai acontecer. Ela sabe que está a anunciar chuviscos quando o que verdadeiramente virá são tempestades. Ela sabe tudo. E foi-se abaixo …

Face a tudo isto (que tenho como absolutamente certo), tomo a liberdade de dar três conselhos:

1º - Poupem, poupem, poupem, poupem, poupem.

2º - CUIDADO com o dinheiro que têm nos bancos. Em qualquer momento podem deixar de ter.

3º - Comprem uma arma. Quando vos forem assaltar a despensa podem precisar.

Isto vai ser muito feio.

olha olha...sim 2x

フェラーリなど高級車が次々・・・中国道で多重衝突



Cenas de gajos, homens a sério. Nós, não eles, esses nabos.

4日午前、山口県下関市の中国自動車道で高級スポーツカーなど約20台が絡む多重事故がありました。
・・・記事の続き、その他のニュースはコチラから!

É o que eu digo.

O Mestre e o fair-play.



Razão tinha ele ao dizer que o Fair Play é uma treta.
E que para ganhar ao Benfica só na Playstation.

Será que podiam despachar-se com isso ?

Toda a gente sabe - fontes internas, fontes externas e fontes assim assim - que o sporting vai acabar. Não têm dinheiro para mandar cantar um cego e quem governa o clube são as claques e um vice mafioso.
Os verdadeiros dirigentes do sporting são estes:



A minha questão é: estando o destino traçado, não podiam despachar-se com isso ?

Agradecido.

Tim Tim, not Tintim.


Tim Tim por Tim Tim, o desmentido ao Eusébio.
Ou, como já disse, a alguém em nome dele. Ele não consegue dizer tantas palavras seguidas. Muito menos com sentido.


LEIAM.

ps(d)(cds)(cgtp), Já agora, Jorge Jesus disse que sabia on.line o que se passa no campo e afirmou que o penalty de Jardel sobre o Onyewu, nunca ocorreu. E na Madeira, também soube on.line da simulação do Nolito ?

E hoje há Taça.



foto gamada aqui.

Friday, December 02, 2011

So Damn Cool

Better Man

Hollow Years

Universally Speaking

Tesourinhos deprimentes.


Batanetes - foda-se mas o que é que aquela merda ? Imagino a tristeza que vai na alma da rueff ao ver o ex.marido a actuar naquela merda. Que tristeza de programa, parece que estamos em Serpa à volta de umas 10 minis a contar anedotas sem graça nenhuma.

Trio d'ataque - um palerma portista ( com o ego cheio não sei de quê ), acha que é o maior a rua dele. Um palerma mesmo palerma ( Rui das Sondagens ) nunca vi um gajo com um discurso tão inconsequente e tão redondo como o deste gajo. Não diz nada, nada, absolutamente nada. Já o gajo do benfica, tiro-lhe o chapéu, nunca gostei dele, desde o programa que ele tinha na TV, mas é o gajo mais equilibrado, mais constante que para ali anda. Diz o que tem a dizer com as palavras todas.

Thursday, December 01, 2011

É tudo a mesma merda

Há vários anos que este gatuno falsário anda a dar baile aos tribunais portugueses, sem que nada lhe aconteça.
Mas não é só com os tribunais portugueses: há três anos que anda também a gozar com os tribunais ingleses. Agora conseguiu o enésimo adiamento.
Moral da história: os tribunais ingleses são a mesma merda que os tribunais portugueses. Que ninguém pense que a "justiça" inglesa é melhor do que a portuguesa.
Estes gajos safam-se sempre.