Saturday, May 26, 2012

Agora andam todos muito preocupadinhos com os gregos e com peninha deles

Viveram à tripa-forra durante décadas. Não pagavam impostos, ganhavam ordenados excessivos, subsídios e reformas sem fim, algumas delas aos 45 anos. São preguiçosos e não querem mudar.

E vão falir.

E ainda querem mais dinheiro e mais ajudas.

Ora, a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, que não apara golpes, disse hoje que pensa mais nas crianças africanas do que nos problemas dos gregos.
«Penso mais nas crianças de uma escola numa pequena aldeia no Níger, que têm duas horas de aulas por dia e têm de dividir uma cadeira por três e que estão muito interessadas em obter educação», afirmou, em entrevista ao «The Guardian».
Garantindo que o FMI não vai ceder na austeridade exigida à Grécia, embora compreenda as dificuldades dos gregos, Lagarde sublinhou que há países em pior situação: «Tenho-as [crianças africanas] sempre na minha mente, porque acho que precisam ainda mais de ajuda do que as pessoas em Atenas».
A responsável do FMI foi questionada sobre as dificuldades dos gregos em aceder aos serviços públicos, mas não cedeu nas críticas. «Sabe que mais? Em relação a Atenas, também penso naquelas pessoas que estão sempre a tentar fugir aos impostos», respondeu.
A solução para a Grécia, no entender de Christine Lagarde, está aqui: «Acho que se deviam ajudar uns aos outros pagando os impostos».

Gosto desta Mulher.

3 comments:

Francis said...

Chapeau

Anonymous said...

"Viveram à tripa-forra durante décadas. Não pagavam impostos, ganhavam ordenados excessivos, subsídios e reformas sem fim, algumas delas aos 45 anos. São preguiçosos e não querem mudar.

E vão falir."

Retrato dos portugueses. Tal e qual.
Cospe para o ar, brevemente vai cair-te em cima.

Um gajo das "Secretas" ou lá o que é aquela merda que não interessa a ninguém said...

Nós somos muito maus, mas não tão maus como os gregos.
Isto não vai correr bem para a Tugolândia e também nos vamos ver gregos.
Como sei ler e escrever, sei a tabuada, não perco tempo a escrever comentários anónimos em blogues e, para além destas quatro qualidades, não sou preguiçoso, não conto que me caia nada em cima.