Friday, September 07, 2012

Os meus sócios do blog


Numa altura em que a moda é falar mal de tudo e todos… decidi ir contra esta corrente. Talvez porque sempre faz um brisa agradável e está um calor que não se pode, ou apenas porque eu já fui mais “irritadinha” do que sou actualmente (o que não me impede de ser irritante para os demais, atenção).

Falar mal, ironizar é fácil. Por um lado está nos genes da nação e por outro é mais fácil apontar o negativo. Não que eu tenha alguma coisa contra alguém em particular, longe disso, garanto-vos que se Deus existe eu já esgotei o meu crédito que reclamações com Ele.

Vamos ao que eu interessa que nem eu me deitei no divã nem vocês são pagos para tratar a minha maluquice.

Tempos atrás fiz um post acerca dos meus colegas no blog “Os Marretas”. E hoje voltei a lê-lo. A intenção na altura foi brincar com a interacção que o Francis e o Michael têm um com o outro. Desconheço se eles o sabem todavia, a dinâmica entre eles é engraçada diverte-me enquanto leitora – alguns posts deste blog podem não ser pérolas literárias mas a caixa comentários é muito divertida daí os ter chamado de Marretas.

Com o que se segue há duas hipóteses: ou vou ser chamada de graxista ou nem vão ler.

Ambos apaixonados pelas suas cores clubisticas são os primeiros a criticá-las e a mandar à fava quem dê uma opinião idiota, no entender deles. Têm um tipo de humor diferente é certo porém, têm ambos opiniões fortes acerca de vários temas. Talvez pela inclinação política ou qualquer outra questão ambos partilham um certo conservadorismo (não necessariamente no mesmo assunto). Não me parece que seja mais fácil “chegar” ao Francis ou ao Michael, bem pelo contrário e ninguém é obrigado a gostar de todas as pessoas nem distribuir sorrisos pelo mundo fora. Bom… experimentem fazer uns erros ortográficos e vão ver nas entrelinhas eles a sorrirem um para o outro.

Tenho o prazer de conhecer ambos, não como a palma da minha mão obviamente, mas asseguro que são duas pessoas encantadoras (dois cavalheiros, verdade seja dita) e com os quais vale a pena conversar.

Agora chega de ser zen e vou escrever qualquer coisa onde falo mal de alguém.